7 de nov. de 2019

Educar o pensamento



As predisposições mórbidas do equipo físico ao longo da jornada terrena estão instaladas na casa mental. Deveis alterar os pensamentos geradores das distonias, em cuja gênese estão fatores psicológicos ocultos, resíduos traumáticos relacionados a existências pregressas, que ainda reverberam das camadas mais profundas do psiquismo inconsciente para uma área que tangencia o consciente, algo como um subconsciente, que ficaria entre o inconsciente e o consciente, a periferia da vida presente do encarnado. Essas dissonâncias mentais de complexa etiologia instalam e intensificam desarranjos vibratórios em determinados locais e órgãos do corpo astral ou perispirítico, que repercutem no físico na forma de doenças variadas.

Ocorre que a ciência despreza e desconhece a força dos pensamentos e os sete corpos mediadores da manifestação. Os pensamentos são gerados pelo espírito, que é a inteligência, a vontade, e os seus sentimentos e ideias se transformam num fluxo pensante. Oriundos do Eu mais profundo, a centelha espiritual, fluem através dos sete corpos mediadores, átmico, búdhico, mental superior, mental inferior, astral ou perispirítico, etérico e físico, como se fossem sucessivas camadas. Percorrem todos os níveis energéticos envolvidos, do mais sutil e rápido ao mais denso e lento, até alcançar a matéria, pesada, grosseira e de baixa vibração, interferindo na vida do espírito com o meio que o cerca, pois ocasionam atitudes, comportamentos e, consequentemente, o modo de ser.

Por: Ramatís e Vovó Maria Conga (Norberto Peixoto) - in Evolução no Planeta Azul

Nenhum comentário:

Postar um comentário