23 de ago de 2019

O poder das velas




Reforçar, repetir e concretizar pedidos, bênçãos e agradecimentos ao astral. A simplicidade da parafina transpassada por um pedaço de barbante ganha um significado memorioso quando unida aos pensamentos e intenções da prece.

Mas como para tudo existe uma face “negativa”, nesta prática também acontece de ter caminhos mal direcionados. Quando a energia da mente da pessoa que pede se une a energia ígnea (fogo) elas trabalham para atender a razão pelo qual a vela foi acesa.

Se o pedido for pelo bem de alguém o bem se tem, se pede-se por propósitos ruins é possível que também se obtenha esse retorno, e pensando nisso compreende-se que no momento em que elas retornam voltam duplicadas pois, retornam com a energia a quem o pedido foi encaminhado.

Portanto é necessário não apenas pedir por boas vibrações, mas também se concentrar no momento do pedido. Sentimentos pesados e distrações podem dificultar que o axé flua.

Em linhas gerais essa é a forma que a vela atua, a intenção é acionada pela energia mental e reforçada pela energia ígnea chegando até o campo vibratório da entidade para quem se encaminhou o pedido.

AS CORES DAS VELAS

As cores das velas para a Umbanda, é uma força atratora e servem para ajudar a nos conectar com as Entidades e também a focar em nossos pedidos.

VELA AZUL: deve ser acesa para as Senhoras das águas Oxum (Azul royal) ou Iemanjá (Azul claro), e também para a linha dos Marinheiros (Azul claro), quando desejar adquirir calma, serenidade, sabedoria, desenvolver e trabalhar poderes paranormais, sensitividade, intuição e ter expansão nos projetos.

VELA AMARELA: deve ser acesa para Iansã quando há necessidade de cura energética, clarear a mente, abrir o intelecto, firmar os pensamentos, desenvolver a espiritualidade e ocorrer mudanças rápidas das situações.

VELA BRANCA: representa a pureza e sinceridade. É utilizada para obtermos paz de espírito, harmonia e equilíbrio em nossas casas. Acende-se para Oxalá e para Anjo de Guarda.

VELA LARANJA:
deve ser acesa para os Ciganos (também serve para os Baianos) quando se precisa ter força mental, aumentar a confiança, a criatividade, o entusiasmo, o poder de atração e obter sucesso nos empreendimentos.

VELA LILÁS: deve ser acesa para Nanã quando há necessidade de transmutar as energias, transformar negatividade, ter inspirações, aumentar a intuição, combater o “stress” e acalmar-se.

VELA ROSA: representa a beleza, o amor, a moralidade. Pode ser acesa para Ibeiji/Cosme e Damião, normalmente em rosa e azul, e também para assuntos amorosos para fortificar relacionamentos afetivos e familiares. Boa cor para realizar os desejos do campo emocional e afetivo.

VELA VERDE: simboliza a calma, a tranquilidade e o equilíbrio. Deve ser acesa para Oxossi quando se desejar a cura espiritual, fertilidade, estabilidade e abundância.

VELA VERMELHA:
deve ser acesa para Ogum quando se precisa de coragem, ânimo, determinação, força, ação, dinamismo, vigor, proteção, conquistar e liderar assuntos relacionados à matéria, trabalho e dinheiro, para que se tenha triunfo e evolução rápida dos acontecimentos.

VELA MARROM:
deve ser acesa para Xangô quando se precisa de justiça correta aos olhos de Deus e também para assuntos relacionados a trabalho e prosperidade.

VELA BRANCA E PRETA:
deve ser acesa para Obaluaê e para os Pretos Velhos quando se deseja paz, limpeza, cura, reconciliação, harmonia, iluminação e quando se precisa de cura física e também para mudança interior.

Fonte: @ig.filhosdearuanda

Nenhum comentário:

Postar um comentário