8 de mai de 2019

Por que as entidades na egrégora de Umbanda falam errado?




PERGUNTA: - Se existem entidades de elevada estirpe sideral que labutam na egrégora de Umbanda, por que falam errado; às vezes num linguajar quase tribal e tosco?

VOVÓ MARIA CONGA: - É o amor que prepondera como quesito principal na elevação das consciências. 

O conhecimento necessariamente não significa sabedoria, que é o outro alicerce que sustenta as entidades iluminadas que se manifestam pelo mediunismo. É exatamente por causa desse incomensurável amor aos humanos que muitas entidades vêm de outros locais do Cosmo, ainda inimagináveis aos seres da Terra, e se impõem imenso rebaixamento vibratório a fim de se apropriarem novamente de um corpo astral. Percebam a dificuldade para se fazerem comunicar por intermédio de um aparelho carnal, limitado e preso às percepções materiais. Logo, a necessidade de se fazerem entender no exíguo tempo que têm para permanecer em tão baixo padrão vibratório é o que determina o linguajar tosco ou tribal, e que está de acordo com a capacidade de compreensão dos consulentes simples, pobres e iletrados que procuram em multidões os terreiros de Umbanda. Isso não quer dizer que não possam falar articuladamente e com grande sapiência diante dos homens doutos. Que os filhos não se deixem levar precipitadamente pelas impressões que mais marcam os seus olhos e ouvidos!

RAMATÍS E VOVÓ MARIA CONGA - "EVOLUÇÃO NO PLANETA AZUL" - NORBERTO PEIXOTO.

Por: Ramatís/Vovó Maria Conga - Evolução no Planeta Azul - Norberto Peixoto

Nenhum comentário:

Postar um comentário