30 de mai de 2019

Linhas dos pretos-velhos




Os Pretos-Velhos são divididos em "Povos" isto é cada vibração de Orixá Ganha o nome de um Povo, por exemplo todo Preto-velho de Angola vibra com Ogum e assim por diante vamos conhecer os Povos mais conhecidos:

PRETOS-VELHOS DE OXOSSI e o Povo da Guiné.

São os mais brincalhões, suas incorporações são alegres e um pouco rápidas irradia-se muito nas pernas principalmente do joelho pra baixo.

Esses Pretos-Velhos geralmente falam com várias pessoas ao mesmo tempo.

Possuem uma especialidade: A de receitar remédios naturais, para o corpo e a alma, assim como emplastros, banhos e compressas, defumadores, chás, etc… São verdadeiros químicos em seus tocos. – Afinal não podiam ser diferentes, pois são alunos do maior “químico” – Oxossi.

Conhecido como o Povo da Guiné adoram trabalhar com folhas, em matas e florestas, gostam de rios também.

Suas guias costumam ter as cores verde junto da famosa prata e branca. Adoram Longos cachimbos e cigarros de palha, chapéu de palha são sua marcas.

O Chefe do Povo da Guiné é PAI JOAQUIM da GUINÉ. Nomes conhecidos: Pai Jacó, Pai Joaquim de Jongo, Pai Guiné, Pai Arruda, Pai Joaquim, Pai Tobias.

PRETOS-VELHOS DE OGUM e o Povo de Angola.

São mais rápidos na sua forma incorporativa e sem muita paciência com o médium e as vezes com outras pessoas que estão cambonando e até consulentes. Irradiam principalmente nas costas.

São diretos na sua maneira de falar, não enfeitam muito suas mensagens, as vezes parece que estão brigando, para dar mesmo o efeito de “choque”, mais são no fundo extremamente bondosos tanto para com seu médium e para as outras pessoas.

São especialistas em consultas encorajadoras, ou seja, encorajando e dando segurança para aqueles indecisos e “medrosos”. É fácil pensar nessa característica pois Ogum é um Orixá considerado corajoso. Adoram trabalhar para Empregos e vida profissional.

Adoram Campos largos, cerrados, campinas, fumam somente cachimbo. Usam lenços vermelhos no pescoço, gorros vermelhos. Não gostam muito de chapéu.

Seu Chefe de Linha é o Pai Antônio de Angola. Outros pretos velhos: Pai José de Angola, Rei Congo, Pai Mané de Angola, Pai João Cambinda.

PRETOS-VELHOS DE OMULU e o Povo das Almas

São simples em sua forma de incorporar e falar. Exigem muito de seus médiuns, tanto na postura quanto na moral. É a linha mais pura de preto-velhos. Irradiam principalmente nos ombros e pescoço. Defendem quem é certo ou quem está certo, independente de quem seja, mesmo que para isso ganhem a antipatia dos outros. Agarram-se a seus “filhos” com total dedicação e carinho, não deixando no entanto de cobrar e corrigir também. Pois entendem que a correção é uma forma de amar. Devido a elevação e a antiguidade do Orixá para o qual eles trabalham, acabam transformando suas consultas em conselhos totalmente diferenciados dos demais Pretos-Velhos. Ou seja, se adaptam a qualquer assunto e falam deles exatamente com a precisão do momento. Como trabalha para Obaluaiê, e este é o “dono das almas”, esses Pretos-Velhos são geralmente chefes de linha e assim explica-se a facilidade para trabalhar para vários assuntos. Sua “visão” é de longo alcance para diversos assuntos, tornando-os capazes de traçar projetos distantes e longos para seus consulentes. Tanto pessoal como profissional e até espiritual. Assim exigem também fiel cumprimento de suas normas, para que seus projetos não saiam errado, para tanto, os filhos que os seguem, devem fazer passo a passo tudo que lhes for pedido, apenas confiando nesses Pretos-Velhos.Gostam de contar histórias para enriquecer de conhecimento o médium e as pessoas a volta. Seus trabalhos são sempre em cemitérios ou cavernas. Usam muito a cor preta, alguns usam chapéu de palha mas é difícil, preferem filas de pano com cruzes ou de crochê. Adoram cruzes, usam bengalas e são bem velhinhos são os vovôs.

Seu chefe de Linha é Pai Benedito, muitos desta linha não usam nomes compostos, outros negos: Pai Dito, Pai Roque, Pai Velho, Pai Preto, Pai Calunga, Pai Zeca. Um diferencial desta linha é que a maioria são Africanos. Não foram escravos!

PRETOS-VELHOS DE OXALÁ e o Povo de Aruanda.

São bastante lentos na forma de incorporar, tornam-se belos principalmente pela simplicidade contida em seus gestos. Irradiam na Testa e Moleira

Raramente dão consulta, sua maior especialidade é dirigir e instruir os demais Pretos-Velhos.

Cobram bastante de seus médiuns, principalmente no que diz respeito a prática de caridade, bom corpontamento moral dentro e fora do terreiro, ausência de vícios, humildade; enfim o cultivo das virtudes mais elevadas.

Gostam de Estradas Desertas, Se vestem sempre de branco, são muito simples, a maioria não fuma, trabalham com a vela acessa na mão, gostam de vinho, uma particularidade é que não gostam de ficar sentados, alguns dão consulta de Pé. Não usam bengalas, preferem cajados na altura dos cotovelos.

Seu chefe de Linha é Pai José de Aruanda, outros negos: Pai João da Caridade, Pai André, Pai Cipriano.

PRETOS-VELHOS DE XANGÔ e o Povo de Quenguelê.


Sua incorporação é rápida como dos negos de Ogum.

Assim como os caboclos de Xangô, trabalham para causas de prosperidade sólida, bens como casa própria, processo na justiça e realizações profissionais. Irradiam principalmente na parte pélvica. São os mais" Pesados".

Passam seriedade em cada palavra dita. Cobram bastante de seus médiuns e consulentes.

Gostam de Chapéu de Palha, Chapéu de Feltro. Adoram Bengalas de tronco. Preferem coisas simples das matas, fumam cachimbos e cigarros de palha. gostam de pedreiras e montanhas.

Seu Chefe de Linha é Pai João Quenguelê, outros desta linha: Pai Jerônimo, Pai Miguel, Pai João do Toco, Pai N´Zumbá, Pai Pedro, Pai Francisco.

PRETOS-VELHOS DE IEMANJÁ e o Povo de Congo

São belos em suas incorporações, contudo mantendo uma enorme simplicidade. Sua fala é doce e meiga. Irradiam bastante na Coluna.

Sua especialidade maior é sem dúvida os conselhos sobre laços espirituais e familiares. São bem faladores. Gostam também de trabalhar para fertilidade de um modo geral, e especialmente para as mulheres que desejam engravidar.

Utilizando o movimento das ondas do mar, são excelentes para descarregos e passes.

Gostam de Trabalhos na Praia e encostas. os Preto Velhos adoram chapéus de Palha, são um pouco pescadores. Adoram roupa azul clara, as pretas adoram panos de cabeça, o principal simbolo do povo de congo são os Búzios.

Suas Guias sempre tem búzios, adoram cachimbos e fumos doces. As Congas adoram pulseiras e enfeites. As Negas ainda gostam de xalés brancos.

Sua Chefe de Linha é Vovó Maria Conga, outras negas: Vó Ana Conga, Vó Cambinda, Vó Maria, Vó Preta, Vovó Maria Preta. Vó Rita. Mãe Conceição;

PRETO-VELHO DE IBEJI e o Povo do Oriente

Sãos os mais leves, trabalham para o rito de cura, ótimos em passes energéticos. Se apresentam como novos, magros. Usam quipás, chapéus grandes de palha. Fumam cigarros de canela, cachimbos. A Maioria desses pretos velhos encarnaram em países asiáticos e extremo oriente.

São chefiados pelo Pai Tomé do Oriente, outros negros: Pai Jacob, Pai Zarthu, Pai Cosme, Pai Damião, Pai Crispin, Pai Crispiniano.

PRETOS-VELHOS DE OXUM e o Povo da Cambinda

São mais lentos na forma de incorporar e até falar. Passam para o médium uma serenidade inconfundível. Irradiam nas Coxas e Joelhos

Não são tão diretos para falar, enfeitam o máximo a conversa para que uma verdade dolorosa possa ser escutada de forma mais amena, pois a finalidade não é “chocar” e sim, fazer com que a pessoa reflita sobre o assunto que está sendo falado.

São especialistas em reflexão, nunca se sai de uma consulta de um Preto-Velho de Oxum sem um minuto que seja de pensamento interior. As vezes é comum sair até mais confuso do que quando entrou, mas é necessário para a evolução daquela pessoa

Gostam de Rios e Riachos, Adoram Saias e rendas na cabeça. Usam Bengalas, apesar do amarelo, adoram roxo. Fumam cachimbo, preferem os brancos.

Sua chefe de Linha é Vó Cambinda, outras negas: Vó Cida, Mãe Sebastiana, Vó Luzia, Vó Serafina.

PRETOS-VELHOS DE NANÃ e o Povo do Cruzeiro

Sua maneira de incorporação é de forma mais envelhecida ainda. Lenta e muito pesada. Irradiam nos Braços e ombros Enfatizando ainda mais a idade avançada.

Falam rígido, com seriedade profunda. Não brincam nas suas consultas e prezam sempre o respeito, tanto do médium quanto do consulente, e pessoas a volta como: cambonos e pessoas do terreiro em geral e principalmente do pai ou da mãe de santo. Cobram muito do seu médium, não admitem roupas curtas ou transparentes. Seu julgamento é severo. Não admite injustiça.

Costumam se afastar dos médiuns que consideram de “moral fraca”. Mais prezam demais a gratidão, de uma forma geral. Podem optar por ficar numa casa, se seu médium quiser sair, se julgar que a casa é boa, digna e honrada. É difícil a relação com esses guias, principalmente quanto há discordância, ou seja, não são muito abertos a negociação no momento da consulta.

São especialistas em conselhos que formem moral, e entendimento do nosso karma, pois isso sem dúvida é a sua função. Gostam de Lagoas e Chuvas. Sempre com seus panos na cabeça as vovós são bem velhinhas e curvadas, usam bengala e andam devagar. Seu simbolo é a cruz de caravaca e cruzes de madeira.

Adoram presentes de barro.

Sua Chefe de Linha é Vó Ana do Cruzeiro. outras negas desta linha: Vó Zulmira, Vó Joana, Vó Tereza, Vó Catarina, Mãe Benedita;

PRETOS-VELHOS DE IANSÃ e o Povo do Jacutá

São rápidos na sua forma de incorporar e falar. Assim como os de Ogum, não possuem também muita paciência para com as pessoas. Irradiam no Peito. Essa rapidez é facilmente entendida, pela força da natureza que os rege, e é essa mesma força lhes permite uma grande variedade de assuntos com os quais ele trata, devido a diversidade que existe dentro desse único Orixá.

Geralmente suas consultas são de impacto, trazendo mudança rápida de pensamento para a pessoa. São especialistas também em ensinar diretrizes para alcançar objetivos, seja pessoal, profissional ou até espiritual.

Entretanto, é bom lembrar que sua maior função é o descarrego. É limpar o ambiente, o consulente e demais médiuns do terreiro, de eguns ou espíritos de parentes e amigos que já se foram, e que ainda não se conformaram com a partida permanecendo muito próximos dessas pessoas. Trabalham em descampados, lugares áridos. Gostam de Saias grandes e rodadas.

Usam panos de Cabeça rendados com tons amarelos; Sua roupagem são de negras grandes e gordas.

Sua chefe de linha é Vó Maria Redonda, outras negas: Vó Tiana, Vó Bárbara, Tia Maria de Minas.

Existem ainda outros povos menores como: Povo da Mina, Povo da Costa, Povo Nagô, Povo Sudanês, Povo da Bahia entre outros...
Que Oxalá nos abençoe sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário