2 de abr de 2018

Páscoa umbandista




Chegamos ao fim da Quaresma! Talvez não tenha sido um período fácil para muitos de nós, mas o importante é que oramos, vigiamos, nos tornamos mais fortes como corrente e evoluímos como seres humanos.

Alguns umbandistas, celebram a Semana Santa com muita fé, resguardando a semana de forma parecida aos Cristãos: com orações, sem comer carnes vermelhas neste período, resguardando as energias e compartilhando a fé com outros irmãos.


Porém, para a maioria dos Umbandistas, o grande momento da fé está na ressurreição de nosso Mestre Jesus Cristo.

A Sexta Feira Santa, ou ‘Sexta Feira da Paixão’, é lembrada por muitos cristãos como o dia do julgamento, da crucificação, da dor e da morte. No entanto nós, umbandistas, podemos marcar e viver essa data como o dia do AMOR PLENO, da RENOVAÇÃO, da PLENITUDE DA FÉ e do PERDÃO VIVO E MANISFESTADO PLENAMENTE.

A Páscoa é renascer, e com ela devemos refletir e reavaliar os nossos atos, o nosso amor ao próximo, a caridade e a nossa capacidade de entender e aceitar os desígnios do Nosso Pai. É o momento em que devemos tentar de alguma forma preencher os novos dias com muita paz e harmonia!

Para a Umbanda, Jesus Cristo ou, em seu sincretismo, Pai Oxalá, que energeticamente representa a atmosfera e os céus, apenas ressurgiu em espírito para consolar seus irmãos e lhes falar sobre suas missões, além de lhes mostrar que a vida é eterna, apenas o que muda são as roupagens que vestimos e onde as vestimos.

Na Páscoa, devemos comemorar o ressurgir de nós mesmos, nosso recriar, nosso reinventar e, no melhor dos termos, nosso reconstruir. É isto que Oxalá veio avisar que após a quaresma, período onde as trevas tem permissão de estarem mais atuantes, período onde nossas fraquezas estão acentuadas, este seria o momento de pararmos para prestar atenção em nós mesmos, em nossas atitudes e em nossa evolução para seguirmos em frente fortalecidos e confiantes no propósito da caridade em geral.


Fonte: União da Luz