27 de abr de 2018

Meditação de preto-velho (a mandinga do silêncio)




Preto-Velho senta no toco e faz um sinal da cruz. Acende o cachimbo sagrado, risca o ponto com pemba e coloca uma vela de fé. Pede um galhinho de arruda, um pouco de manjericão e guiné. Com os olhos baixos e serenos, amassa as ervas na mão e assopra a fumaça do seu “pito”. Dentro de mim está um turbilhão de sentimentos e emoções. Da parte dele, o silêncio faz morada.

Questiono se precisa me falar alguma coisa, nada responde. Vai passando o tempo e sua única reação é continuar macerando as ervas e fumando seu cachimbo. O coração que estava acelerado, aos poucos, vai se tranquilizando.

Ele observa a natureza, o passarinho que voa de um lado para o outro, as plantas que deixam o lugar bonito e com paz. Come um pedacinho de bolo, dá um gole no café e pede aos Santos e Orixás que ajudem a todos os aflitos. Tudo com calma, sem mencionar uma só palavra.

Preto-Velho tem mandinga e a sua principal é o silêncio. Aquieta os pensamentos, silencia os sentimentos. Preto-Velho traz em sua infinita sabedoria o poder da imobilidade. Porque muitas vezes nada podemos fazer, há não ser sentar, acalmar os pensamentos e o coração.

Até naqueles momentos que dá vontade de gritar, ele silencia. Preto-Velho sabe que para falar com Deus é só através do silêncio. Nêgo véio tem mandinga e é nela que mostra toda sua fé.

Existem muitas técnicas de meditação trazidas de outras culturas. Eu prefiro a simples, intimista… aquela que Preto-Velho faz toda santa gira. Saravá a mandinga de Preto-Velho, aquela do silêncio que aumenta a nossa fé.

Adorei as almas.


Por: João Paulo Francisco
Foto: Nathália Rodrigues