3 de abr de 2018

A cabeça do vencedor, vencerá!




Mesmo se nosso òrìsà está bem, só ficará tudo bem se o nosso Òri estiver também. Òri, tem que ser cultuado antes que o òrìsà, não existe um òrìsà que apoie mais o homem do que o seu próprio Òri.

"Ogun chamou Òri e perguntou-lhe, “Você não sabe que você é o mais velho entre os òrìsàs? Que você é o líder dos òrìsàs?".

Um Òri resistente e forte é capaz de cuidar do homem, de lhe garantir a sobrevivência social e as relações com a vida, apesar das dificuldades que ele enfrente. Seja à adequação ou ajustamento de suas condições frente às situações enfrentadas, seja quanto ao fortalecimento de suas reservas de energia e consequente integração com suas fontes de vitalidade, Òri sempre será louvado. É importante dizer que é o Òri que nos individualiza e, por conseqüência, nos diferencia dos demais habitantes do mundo. Essa diferenciação é de natureza interna e nada no plano das aparências físicas nos permite qualquer referencial de identificação dessas diferenças.

Acredito que, para termos um Òri bom e próspero é fundamental cuidar sempre dos pensamentos, da saúde mental buscando harmonia, paz e positividade. Nossa mente é programável, e nosso Òri conduz nossa vida conforme a nossa consciência. Não adianta dizermos que somos filho de tal òrìsà e que òrìsà será o responsável por nossas condutas; òrìsà é o caminho e energia pura, Òri é o desejo, a sabedoria, o "EU", a consciência e harmonia que fará conduzir com inteligência e força nossa vida em direção ao caminho mais voltado a nossa real existência. Por isso, de nada adianta ter òrìsà e possuir um Òri em desarmonia pois a desarmonia da consciência fará com que conduza suas preces e energias a caminhos obscuros, distantes dos sonhos, cegos surdos às mensagens e sinais de nossos encantados.

Motumba!


Fonte: Soul Yawo