30 de mar de 2018

Uma vela na encruzilhada




Acendi uma vela, de joelhos na encruzilhada. Lágrimas corriam pelo meu rosto, o desespero tomava conta do meu ser. Enquanto rezava e pedia proteção, sentia meu coração dilacerado. Tudo estava parado, minha vida não caminhava, sem emprego, sem casa.

Rogava a exú que amparasse. O que eu havia feito de tão errado para que me castigasse?

O sino na igreja deu doze badaladas, era meia noite, ouvi uma gargalhada e então um homem veio caminhando em minha direção, uma capa negra o envolvia. Seus olhos despiam minha alma, baixei a cabeça, e saudei. Laroyê exú, Laroyê, Seu Tiriri.

Ele parou estendeu a mão e me disse: – Nunca te castiguei meu filho, nunca te virei as costas, tu veio a mim e pediu trabalho, eu corri gira pra lhe dar o que havia de melhor, vi que chorava sozinho antes de se dormir, e coloquei alguém em seu caminho para lhe confortar nos seus dias. Na tua mesa nunca faltou, nem o de comer e nem o de beber.

E quando tu estiveste contudo isto, esqueceu de mim, nunca mais um copo de água sequer, você se lembrou de me dar. Passou mal dizer as pessoas e falar que todos tinham inveja de ti. Seus pensamentos rancorosos e cheios de amargura me afastaram, já não conseguia mais te aconselhar.

Agora que perdeste tudo, lembras quem sou eu, vem aqui me pedir ajuda e perguntar porque te castigo? Quem sou eu pra castigar menino? Tu é quem me deixaste de lado, me afastaste e por isso não consigo te ajudar.

Então me lembrei que depois que conquistei tudo, deixei de ir ao terreiro, deixei de fazer meus banhos de defesa, e deixei de saudar exú. O arrependimento tomou conta de mim, meu coração doía. Coloquei a cabeça no chão pedi perdão. Me senti ainda mais perdido. Uma mão tocou em minha testa, levantando e tirando minha cabeça do chão. – Faça isso não filho, teu Orí é sagrado e deve ser protegido. Exú me estendeu a mão e me levantou.

E eu sabia que dali pra frente, tudo seria diferente, eu jamais deixaria minha fé de lado por conta da ambição. Exú me guiaria pelos caminhos mais uma Eu vez e dessa vez eu não iria afastá-lo.