16 de fev de 2018

Recado de preto-velho


Recado de Pai Joaquim recebido numa sessão de Pretos Velhos da União da Luz:

Fia, a humanidade esquece, assim, da mensagem que nosso Grande Mestre deixou para quem quiser ouvir, deixou gravada na memória coletiva da humanidade, fia: que o AMOR é a maior coisa que existe.

Ás vezes, mizinfia, as pessoas passam toda a sua existência só pensando em si mesmos, sabe? E muitos ficam inebriados pelas suas próprias necessidades vazias que eles mesmo ‘criaro’, zifia: conquistar, conseguir cada vez mais coisas, subir cada veiz mais, ter uma montanha de coisas materiais que não aquecem o coração, pelo contrário, só ‘faiz’ gelar, fia. 

Se suncês lembrar da mensagem do Grande Mestre, terão a resposta: somente o amor salva. O amor puro, fia. Quem tem o amor, tem tudo, fia: tem a liberdade dentro de si mesmo. Tem o peito leve, tem a vontade e motivação firme para “oiá” sempre na direção da luz. 

Só o amor reflete a luz do nosso Criador, zifia. E ela vai “inté” todos os cantos desse mundo. Uma coisa linda di si vê, ê ê. 

Muitas pessoa sabem disso e não presta atenção, fia. Acha que é simples demais pra ser a maior verdade dessa vida. Mas nunca “siquece”, zifia: o amor é a força mais poderosa que já foi inventada pelo Pai. E ele, só ele, nos salva de tudo. 

Sabe, fia, a guerra é uma coisa que as pessoa tem medo, mas a pior guerra é aquela que se trava dentro da gente, fia. É uma luta interna que muitos travam em cada segundo, zifia: a guerra do lado de dentro. A pessoa pode até “aparecê” em paz, mas por dentro tem um maremoto… 

A guerra, zinfia, é o ego. É a falta de paciência. A guerra é a “ingnorância”. E essas são coisas que precisam ser vencidas. Como vocês dizem aqui na Terra, precisa ter a vitória sobre tudo isso. Se a pessoa não consegue vencer essas três coisas, fia, nunca é capaz de se encontrar. 

E sabe as “arma” que vosmecês pode usar pra vencer isso, fia?

Em primeiro lugar, o amor. Nunca “esquecê” que, primeiro, cêis tem que se amar a si mesmo pra poder amar os outros. Amando a si mesmo, a gente aprende outra lição junto: o respeito ao outro. E a si mesmo. Porque se a pessoa tem amor no coração, não tem como não “arrespeitá”, né?

A segunda arma é buscar um Caminho. Uma verdade espiritual, fia. Pode ser na Igreja, no Templo, no Terreiro, no Centro Espírita, na Natureza. Qualquer caminho que faça com que a pessoa se sinta em paz com ela mesma, mizinfia. Depois que achar o Caminho, fia, tem que cultivar a Fé. A Fé é algo que se cultiva e se nutre e se alimenta, fia. 

É também por isso, fia, que os Preto Véio faz o que os homem chama de doutrina de impacto, fia: quem é que vai reclamar da vida diante de um pretinho, ê ê? “Num” existe Umbanda sem a gira de Pretos Velhos, fia.

O Preto Velho traz Humildade, Sabedoria e Paciência, fia. 

E a humanidade precisa muito dessas três coisas fia. Demais da conta. O povo “comprica” tanto quando só precisa de harmonia e muita luz e a companhia do nosso Senhor. 

Tem muita gente que só pensa em si, só pensa na matéria, como se fosse levar alguma coisa quando chegar diante do nosso divino Pai Omulu, fia. Vosmecê veja só que pensamento pequeno. “Despois” chega no outro lado, se arrepende, e a oportunidade já passou. E ela se vai num piscar de “ôio”, fia. Por isso, preto diz pra vosmecês: aproveite cada momento, zinfia. Perdoe, perdoe, perdoe. E ame com o coração de um erê. Pensa sempre nas “coisa” boa, que essa energia traz felicidade pra vosmecê e pra quem vosmecê quer bem. E assim, a vida segue mais tranquila, no passo do Preto Velho voltando pra Aruanda.

Saravá, zinfia. E amor, mais amor, sempre.


Fonte: União da Luz