12 de dez de 2017

É trabalhando para a caridade que se faz congá


Em 15 de novembro de 1908, as 21 horas, o Caboclo das Sete Encruzilhadas anunciou a Umbanda
como a religião da humildade e da caridade, sem adereços inúteis. No dia seguinte Pai Antonio mostrou sua humildade dizendo que a única coisa material que tinha saudade era sua "cachimba".

Na década de 1950 W.W. da Matta e Silva junto com Pai Guiné vieram trazer conhecimentos ainda desconhecidos pelos umbandistas.

Zelio de Moraes e Matta e Silva não tiveram Pai de Santo. Foram eles que firmaram os pilares da Umbanda. 

Os dois usavam apenas uma guia. Por que será que hoje usamos tantas guias?

O outro lado da vida está mais perto do que imaginamos. Pode ser daqui a cinco minutos, ma semana, um mês, alguns anos....

De que vale o monte de guias no pescoço, a vaidade, a inveja, a politicagem e a vaidade do outro lado da vida?

Do outro lado da vida teremos juízes implacáveis: nós mesmos. 

Quanta caridade feita humildemente vamos levar para o outro lado da vida? A única atenuante para as nossas mazelas terrenas.

Que Deus tenha piedade de nós e os Orixas, Guias e Protetores nos iluminem para podermos chegar do outro lado melhores do que chegamos na terra.

Sarava!


Por: Exu Sete da Lira/Diamantino Trindade