1 de set de 2017

Quando se é da Umbanda...

Quando se é da Umbanda, tudo é do Santo. 
Até as cores ganham significados de Orixás: o mar vira Iemanjá  ;
o Rio vira Oxum ;
a comida que chega, Oxóssi quem traz
O aço do medalhão que carrego, Ogum quem me deu
Até a argila que uso para me lambuzar traz ponto de Nanã para completar
Quando se é do Santo, nenhum ato é de graça, nem mesmo a nuvem que passa, passa despercebida, foi Iansã quem levou... 
Quando se é macumbeiro, não se teme cemitério, pede bênção pra entrar pois é a casa do mais velho. E la dentro sinal de respeito é Atotô
A máscara que caiu, a desilusão, a recompensa e a mentira que se desmentiu foram os olhos que Xangô abriu
A voz que não falha, a intuição que parece minha, escuto para me corrigir e a mão que vem me acariciar é velha e é preta, tem cheiro de fumo e gole doce de cachaça. Preto Velho curandeiro ta aqui pra me segurar. 
E por sorte tudo isso se junta nas encruzilhadas da vida ou da esquina que junta a rua da minha casa com a rua do Exu pra me guiar - que esse não se perde no caminho - e pra me lembrar que tudo que vai nessa vida, tem hora pra voltar e que se for eu quem precisar levar, ta ele aqui pra me ajudar..

Saravá e um fim de semana de paz e muito amor.