12 de set de 2017

O aproveitamento anímico nas comunicações mediúnicas


PERGUNTA: — Sob vossa opinião, como encarais o problema angustioso de todo médium em desenvolvimento, qual seja o animismo?

RAMATIS: — Naturalmente não pretendemos endossar os abusos de imaginação, os exotismos e as excentricidades dos médiuns avessos ao estudo; presunçosos, interesseiros ou exibicionistas.

Reconhecemos, no entanto, a interferência ou associação de idéias no médium consciente, porque no seu esforço para lograr a passividade no transe, ele toma o conteúdo de sua alma como sendo manifestação alheia. Nem todos abusam do animismo sob propósitos condenáveis ou para fins vaidosos, por cujo motivo não aconselhamos a desistência do desenvolvimento mediúnico, só porque a interferência do médium perturba a transparência cristalina das comunicações dos espíritos desencarnados.
Se o virtuosismo do músico tem início no solfejo da singela escala musical "dó-ré-mi", a eloqüência do orador requer fundamento do "a b c" e o estro do poeta firma sua principal base no balbuciar da palavra infantil, certamente que o êxito mediúnico também se apóia inicialmente nos percalços do animismo.

PERGUNTA: — Alguns médiuns experientes e com vários anos de serviço junto à seara espírita ainda alimentam duas vidas a respeito de suas comunicações mediúnicas, certos de que tudo aquilo que transmitem é apenas de sua própria alma. Os mais escrupulosos alimentam desejos de abandonar a tarefa mediúnica, a fim de não iludirem o público com pseudas comunicações que nada têm a ver com espíritos desencarnados. Que nos dizeis?

RAMATIS: — O médium não é boneco vivo, insensível e de manejo mecânico, mas sim uma organização ativa com vocabulário próprio e conhecimentos pessoais adquiridos pela sua experiência e cultura humana. Além de tudo, é alma guardando em sua memória forjada nas existências pregressas a síntese dos seus esforços para a ascese espiritual. E quando se trata de médiuns conscientes ou semiconscientes, só lhes resta a tarefa de vestir e ajustar honesta e sinceramente as idéias e as frases que melhor correspondem ao pensamento que lhes é manifesto pelos espíritos desencarnados através do seu contato perispiritual. Deste modo, os comunicantes ficam circunscritos quase que totalmente à vontade e às diretrizes intelectuais e emotivas do seu intérprete encarnado, o qual fiscaliza, observa e até modifica conscientemente aquilo que foi incumbido de dizer Lembra o mensageiro terrestre que ouve o recado para transmitir verbalmente a outrem, mas na hora de cumprir sua tarefa tem de usar de suas próprias palavras para comunicá-lo. No caso, tanto o mensageiro como o médium são intérpretes do pensamento alheio e por isso influem com o seu temperamento, engenho e cultura nas mensagens que traduzem, resultando disso os textos lacônicos ou prolixos, precisos ou truncados.

Só o médium com propósitos condenáveis é que poderia ter remorsos de sua interferência anímica, pois nesse caso tratar-se-ia realmente de uma burla à conta de mediunismo. Não é passível de censura aquele que impregna as mensagens dos espíritos com forte dose de sua personalidade, mas o faz sem poder dominar o fenômeno ou mesmo distingui-lo da realidade mediúnica. É tão sutil a linha divisória entre o mundo espiritual e a matéria, que a maioria dos médiuns conscientes e bisonhos dificilmente logra perceber quando predomina o pensamento do desencarnado ou quando se trata de sua própria interferência anímica.

Só depois de alguns anos de trabalho assíduo na seara mediúnica, estudos profícuos, afinada sensibilidade mediúnica, muita capacidade de auto-crítica e introspecção freudiana é que o médium logra dominar e distinguir com êxito o fenômeno anímico(1). Com o exemplo que já vos expusemos anteriormente nesta obra, sobre a hipótese de um só assunto ser ventilado por quatro médiuns intuitivos, de cultura e temperamentos diferentes, cremos que já podeis avaliar a diferença anímica sem destruir a autenticidade do pensamento do espírito comunicante.

DO LIVRO: "MEDIUNISMO" RAMATÍS/HERCÍLIO MAES - EDITORA DO CONHECIMENTO.

Por: Ramatís/Hercílio Maes - Do livro Mediunismo - Editora do Conhecimento