11 de mai de 2017

13 de Maio, dia dos Pretos Velhos


Hoje, 13 de Maio, todos nós Umbandistas nos unimos em um só sentimento de gratidão e alegria endereçado à poderosa linha dos Pretos Velhos.

Quem nunca se sentou agoniado a frente de um Preto Velho e, em poucos minutos, sentiu que toda sua angústia, sua visão turva do problema foi pulverizada pela sabedoria e pela energia emanadas por esta entidade Crística?

Quem nunca experimentou o olhar complacente e carregado de amor desta entidade que, mesmo conhecendo nossos erros mais bizarros, nunca profere palavra de reprovação, deixando sempre muito claro que estão aqui para nos ajudar e ensinar, jamais para nos julgar?

Quem que em seu dia a dia, ao pedir ajuda num momento de aflição, não sentiu de imediato um arrepio, um zumbido no ouvido ou ainda um perfume, significando a presença de um Preto Velho trazendo luz e proteção?

Eu sou um admirador eternamente grato a esta linha da Umbanda, em especial ao Pai Joaquim d’Angola, por inúmeras vezes que fui socorrido, instruido e iluminado; isto do que sei pois tenho certeza que as vezes em que a ajuda foi sem que me desse conta somam um número muito maior.

Quanto ao seu trabalho, o Pai Joaquim nos deu a seguinte mensagem:
“Ele desceu do Céu para nos ensinar que a verdadeira felicidade não está nesta vida, mas sim na eternidade.
Plantou o Amor, a Paz e a União; morreu por nós.

Hoje, quando vê uma semente morrendo, um pouco de Si morre também.

Ainda está em tempo de recomeçar e plantarmos dentro de nós a semente do Amor, pois só assim seremos completamente felizes e Seu olhar brilhará cada vez mais.

Nunca devemos esquecer nosso mestre Jesus, nosso único exemplo de Amor.”
E é isso que faz o Pai Joaquim, ele é um Semeador. Semeador do Amor, por seus exemplos, seus atos e ensinamentos.

Adorei as Almas. Salve Pai Joaquim d’Angola. Salve a Corrente do Pretos Velhos.



Pai Joaquim, Preto Velho, Pai de luz.
Pai Joaquim, é meu pai que me conduz.
Pai Joaquim, teu olhar me acalenta,
Tua palavra me sustenta,
Preto Velho, Pai de luz.



Fonte: Pai Joaquim