19 de abr de 2017

Quizilas existem? O que é quizila?

Palavra de origem africana (quimbundo), que quer dizer antipatia, mal estar, aborrecimento, segundo o dicionário Michaelis. A palavra também que é muito conhecida e faz parte da linguagem do povo de axé.

Acredito que haja uma linha muito tênue sobre esse tema entre a Umbanda e o Candomblé, porque assim como o uso do branco nas sextas feiras, é oriundo de uma organização primária do
candomblé, as quizilas também. Mas diferente do uso do branco e outros preceitos para a sexta feira, dia de Oxalá, as quizilas são oriundas de um conhecimento da própria cultura africana e não foi instaurada pelo grupo organizador do candomblé, pois este faz parte do culto a Orixá desde sua origem africana. O povo africano também respeitava as quizilas do Orixá que prestava culto. O que houve foi apenas uma adaptação, já que muitas folhas, frutos, sementes, etc não existiam na África. 

E muita casa com fortes influencias africanista também adotaram e receberam também o entendimento, embora muitas vezes distorcidos e meramente simbólicos sem muita compreensão sobre o porquê dos interditos, mas adotam também e repassam aos seus filhos de fé. Certos ou errados? Não entrarei nesse mérito de forma alguma, pois não me compete apontar o dedo a casa alheia e dizer que tal preceito é certo ou errado.

As quizilas dizem respeito ao que pode ou não um omorixá (quem cultua Orixá), comer, vestir, formas de comportamento e elementos naturais que são compatíveis ou não com ele. O que pode usar ou não. E isso não é uma questão de supertição, mas de axé. Cada pessoa tem seu campo único de energias orgânicas e inorgânicas, tem sua frequência espiritual e sua porção natural divina dentro de si. Uma vez despertado esse axé primordial dentro de nós, através do ritual de iniciação, a energia Orixá que somos, ficam em evidencia e “a flor da pele”. E um axé que foi despertado e que estará conosco de forma mais forte e não adormecida. Somos seres naturais e portanto dependemos da natureza e do que ela provê para sobrevivermos. Porém também somos seres naturais e portanto, existem alimentos, plantas e manipulações naturais e humanas que são incompatíveis com nossa energia natural divina. E o que essa incompatibilidade nos causa seja emocionalmente, fisicamente, ou mentalmente se chama quizila.

Numa linguagem bem simplista e simbólica é costume dizer “não coma isso que seu santo não gosta, não beba isso que vai inquizilar seu santo”. Na verdade não vamos deixar ninguém bravo e revoltado conosco, mas trata-se de estarmos consumindo algo que não é bom para nosso corpo físico e espiritual , pela vibração natural do elemento/alimento que é incompatível com nossa própria energia. Já pararam pra pensar que muitos alimentos nos dão mal estar? E pra outras pessoas não? Que algumas pessoas respondem melhor a certos tipos de remédios do que outras, de pessoas que se sentem bem bebendo algum chá ou mesmo banho e outras não? Porque cada ser humano é único e tem seu próprio organismo espiritual que melhor se adéqua a este ou aquele elemento. E as quizilas são justamente o que nos trazem malefícios e não é uma boa pedida pra nosso equilíbrio e bem estar.

Porém as pessoas que levam a coisa ao pé da letra entendem de forma muito humanizada, de que é alguém, nosso Orixá que não gosta de tal coisa e por isso proíbe seus filhos de consumirem. Mas vamos enxergar abrir nossa mente pra ver as coisas mais além do que os simbolismos e alegorias. Da mesma forma é a expressão “ o que meu Orixá come”. Orixá não come, nós é quem comemos, compartilhamos á mesa de elementos naturais que sintetizam e são a expressão do Orixá individualizado na natureza; nas folhas, frutos, sementes, grãos, etc. E o homem aprendeu a manipular esse axé em forma de alimento que ingere como remédio, combustível para manter-se vivo, saudável e com vigor em sua vida corpórea. E nos alimentamos todos os dias de axé natural e sem eles não sobrevivemos.

Falando no âmbito da Umbanda, não é via de regra que se respeitem as quizilas dos Orixás, até porque é preciso se entender o Orixá e ter o conhecimento dos elementos incompatíveis ao seu axé natural. Estudando o Orixá, seus mitos que alegoricamente nos trouxe o que é cada Orixá, entendemos sua vibração, onde ele se manifesta na natureza, o que é afim a essa emanação, etc. E esse aprofundamento nos mistérios e fundamentos do Orixá não é o bojo que norteia a Umbanda, pois não somos o Culto do Orixá, mas sim, o norte de nossa crença é justamente as entidades. Embora nós prestamos culto aos Orixás, não iniciamos Omorixás, Não é o objetivo despertar através da iniciação e rituais o Orixá porção divina dos adeptos. Mas não deixamos de louvar e cultuar dentro de fundamentos próprios as emanações divinas; Orixás, porém de forma, rituais e liturgia diferente do culto ao Orixá, o Candomblé de Orixá. Somos outra religião, uma religião independente e não precisamos copiar, implantar nem importar rituais para nossas casas de Umbanda, até porque os rituais do candomblé que envolve iniciação, não é apenas uma questão de ir e fazer. É preciso ter assentos que somente é pertinente a uma casa de nação, organização física apropriada, não misturar dentro de mesmo âmbito os assentos dos Orixás e entidades, etc. Devemos reconhecer que existem dentro da Umbanda muitas casas deverás influenciadas por práticas de nação, e estes, orientam seus filhos sobre as quizilas de seus pais de cabeça. Mas percebo que é algo mais superficial, sem se aprofundar muito nessa questão. Interditam algumas coisas básicas e mais evidentes e não estendem a uma profundidade. O que em nada desabona a casa. Afinal somos Umbanda e não Candomblé. E acredito sempre que devemos respeitar o entendimento alheio com relação à forma que pratica e repassa o que aprendeu.


Por: Ana AraujoTexto pertence ao acervo do Terreiro de Umbanda Vovó Catarina e está protegido seus direitos autorais.