20 de fev de 2017

O "leite derramado"

Dulcinéia adentra a casa de umbanda aflita, chorosa, mas procurando ser discreta para não chamar a atenção dos outros consulentes para si.

Uma dor pungente lhe maltrata o orgulhoso coração de mãe, que entre preces desconexas e queixumes lamuriosos, tentava prestar atenção na palestra, cujo tema era enriquecedor.

Ao ser conduzida à cabine onde lhe aguardava médium já sob vibração de seu mentor e guia, desabafou em prantos o seu drama!

A entidade só lhe ouvia, aguardando uma chance de orientar e acalmar-lhe a alma.

Era Pai Guiné quem lhe ouvia atentamente enquanto afastava as energias densas e asfixiantes que lhe envolviam os chacras.

Dulcinéia: _Paisinho... estou com a alma em frangalhos! Minha filha adolescente me traiu! Ela...se entregou para o namoradinho e está doente! O senhor acredita que ela aos quatorze anos já “pegou” DST’S? - Silenciou envergonhada esperando daquele médium e de sua entidade amorosa, uma resposta que aliviasse seu coração dorido. 

Pai Guiné: _ Filha, que a bênção do Pai Oxalá esteja com suncê! Que a luz do menino Jesus clareie sua mente, trazendo-te boas resoluções! Não precisa envergonhar-se, sexo é manifestação de vida, de amor e serve para que os espíritos possam vir à Terra em plano físico. - A entidade fez breve pausa para que a consulente pudesse absorver as energias novas e superiores que a envolviam, enquanto assimilava o ensinamento. _ Suncê como mãe tem o direito de repreender vossa filha, mas tem também a missão de com carinho, orientá-la. 

Dulcinéia: _Ela me desobedeceu e agora eu a estou castigando! Onde já se viu me trair dessa forma?! Não poderia ter se envolvido assim, eu não a autorizei! Jamais pensei que ousasse tanto e em minha própria casa, “debaixo do meu nariz”! Eu estou sinceramente enojada desta situação e mesmo punindo-a como já estou, sinto que faço pouco! Já a humilhei, já a proibi de namorar esse moleque arrogante e doente, já... já proibi os passeios com as amigas e não dialogo com minha filha, exceto o necessário! 

Pai Guiné: _Se me permite um conselho, peço para a filha refletir profundamente sobre as atitudes drásticas que tomou... Antes de “proibir”, de humilhar e de punir, deve trazer a filha amada junto de si para diálogo nobre e enriquecedor sobre a vida, sobre os cuidados e precauções que educam e previnem muitas vezes situações como essas. _ A entidade novamente fez pausa para que Dulcinéia entendesse e assimilasse as orientações que fora buscar naquele ambiente de caridade e de paz. - Minha filha, vejo que negligenciou os cuidados para com a sua criança, deixando-a por demais a sós com o moçoilo. Esqueceu de “orar e vigiar”, já que a sua mocinha ainda é uma criança e não pode ser responsabilizada por atos que não tem maturidade suficiente para analisar. – Explicou calmamente a amorosa entidade, mas com firmeza necessária. 

Dulcinéia: _Mas ela é inteligente, paisinho! – retrucou timidamente a consulente. _Ela já é capaz de cuidar-se sozinha e ainda mais de evitar situações como a que ocorreu. Isso nos trouxe a nós, digo a mim e ao pai dela, enorme desgosto! O pai de minha filha, apesar de estar ausente em sua educação, quando ficou sabendo do ocorrido quase teve um ataque cardíaco! Sem contar que estamos morrendo de medo de que nossos vizinhos fiquem sabendo... que escândalo seria! Sabe Pai Guiné, entendo que me afastei de Cristina, minha filha por demais, mas acontece que tenho minha vida particular para cuidar também... meu namorado, minhas festas, dar atenção aos amigos dos bares que frequento, meu trabalho, as reuniões com as amigas para colocarmos a fofocas em dia... Veja quantos afazeres tenho! Aquela menina deveria me ouvir e obedecer-me, isso já seria o suficiente para minha alegria de mãe, mas agora o leite está derramado! 

Pai Guiné: _Só com amor se pode se fazer ouvir e obedecer, minha filha. Dedique-se mais a sua filha, pois ela necessita de mais atenção, já que o pai está ausente na educação dela. – ponderou a entidade amorosa. _ Dê bons exemplos a ela para que tenha em suncê, filha uma referência. Os mais jovens necessitam de bons exemplos e de vigilância constante na educação familiar. Devem receber dos pais que são aqueles que receberam do Alto, a missão de auxiliar o espírito encarnante, dando-lhe suporte moral e religioso, educando-os e proporcionando-lhes meios de crescerem em ambiente familiar e saudável. Isto um dia lhes será de grande valia para que possam quando adultos, trilhar caminhos difíceis, porém fortalecidos nos ensinamentos que receberam no lar. Filha, estes ensinamentos a que chamamos de princípios devem ser passados para os filhos como o maior legado a se deixar: os bons exemplos de moral e conduta!

Dulcinéia abaixou os olhos e aceitou o “puxão” de orelhas entendendo onde estava o equívoco, deixando aquela casa de umbanda em profunda reflexão.

“Nossos filhos" são espíritos que nos são emprestados por Deus, a fim de que lhe sirvamos como pais amorosos e bons educadores, para tanto necessário é, que, busquemos corrigir com humildade reconhecendo nossas falhas.
“Não se faz” no plano espiritual um curso para pais, e não se sabe o quanto iremos acertar com os filhos que nos serão confiados pelo Alto, mas não podemos enquanto espíritos imortais, olvidar as orientações amorosas que todos os futuros pais recebem antes de se encarnar na Terra e mesmo depois, nas “vésperas” da concepção. Nossos Mentores e guias espirituais sempre nos orientam a seguirmos com humildade os ensinamentos de Jesus e os aplicar aos nossos.
Quando não nos adequamos a estes ensinamentos ficamos sem condições de passar para os nossos irmãos em Cristo que nos foram amorosamente confiados como: filhos da carne, PRINCÍPIOS Evangélicos salvadores.”

Reflitamos isso com amor. 

Namastê!


Por: Letícia Gonçalves