28 de fev de 2017

O cuidado com nosso espírito

Infelizmente existem diversos oportunistas que usufruem das religiões afro-brasileiras, como Candomblé e Umbanda para com os benefícios próprios, desta forma enganando e iludindo os leigos, que passam ao decorrer do tempo se tornando fiéis a esses oportunistas, acreditando cegamente no que eles passam. Resultado disso? Simplesmente o prejuízo do corpo espiritual, que pode e na maioria dos casos acontece refletir no corpo físico e na vida material da pessoa.

Tanto o Candomblé como a Umbanda são religiões que deve se levar com seriedade, entendendo que nessas religiões segue-se uma missão, uma designação e não uma brincadeira de cantar, bater palmas e sentir o coração elevar. É muito boa a vibração dessas religiões, é muito
gostoso estar em seu momento de gira, muitos trabalham em ambas até mesmo se divertindo, mas isso não significa que este seja um lugar para diversão, pelo contrário, é um lugar para trabalho, para lidar com seriedade diante aquilo que é sagrado e extremamente delicado, pois, um médium tendo a sintonia distorcida, ou um iniciado num Candomblé com a "cabeça" mal feita, pode sofrer grande prejuízo que afetará até mesmo sua vida, e este resultado muitas vezes não aparece de uma só vez, mas sim aos poucos, consumindo o corpo espiritual da pessoa devagar, como um câncer, no qual corrói os órgãos aos poucos acabando com o ser humano, ou então progredindo rapidamente levando o mesmo ao seu fim, de qualquer forma, a pessoa se recuperando a tempo ou não, isto deixará marcas e cicatrizes que jamais serão esquecidas, deixará até mesmo conseqüências crônicas para o corpo físico ou a vida da pessoa.

Parece ser forte o que estou falando, para uma pessoa que não entendi a religiosidade isso soa até como perigoso, ou seja, como se ambas as religiões fossem perigosas. Mas, não é isso que estou dizendo, jamais a religiosidade é perigosa, perigoso é o homem que não sabe com o que está lidando, assim como diversos seres humanos que destroem a natureza e depois reclamam das conseqüências. Tudo nesta vida é movido por conseqüências, aqui se planta aqui se colhe, a situação é simples, seja prudente com aquilo que desconhece e não deixe qualquer pessoa colocar a "mão" em seu corpo espiritual. O problema para com a forma errônea a lidar com a mediunidade ou ao expor o corpo espiritual não ocorre especificamente nas religiosidades, existem diversas pessoas que sofrem na vida porque estão com prejuízos espirituais, e outras porque deixaram pessoas prejudicarem seu corpo espiritual. Independente de religiosidade, se você deixar qualquer um fazer, ou então não fazer os procedimentos devidos com seu espírito, simplesmente se prejudicará, e às vezes prejudicará ao próximo, pois através de você em estado crítico, somente emanarão energias ruins que virão juntas de espíritos oportunistas. No próprio Espiritismo, vemos diversas pessoas indo a sessões espirituais para tentar descobrir o que ocorre com seu corpo espiritual, e se o Dirigente Espírita for um irresponsável ou de má índole, certamente prejudicará o leigo ou aqueles que o procuram, portanto, o mal não está na religião e sim no homem que está por trás dela.

Vou tentar com uma metáfora explicar o que procede com o ser humano ao deixar que qualquer um coloque a mão no "Orí" dele e/ou nos cuidados espirituais do médium:

Nosso espírito é como uma televisão, melhor, no caso nosso corpo e espírito seriam o televisor e a imagem que no televisor transmite é a espiritualidade, sendo a sintonia a nossa conexão com a mesma. Para esta sintonia funcionar, depende de várias peças. Se você deixar alguém fuçar na sintonia do televisor, a mesma será totalmente desfocada, irá até mesmo prejudicar o televisor que não conseguirá de forma alguma conectar-se a alguma transmissão, então, somente alguém que entende daquilo poderá trabalhar para sintonizar canal por canal e fazer o televisor funcionar de forma correta novamente, mas isso levará tempo, concentração, dedicação e um pouco de sorte (em nosso caso fé) para que, a forma errônea de sintonizar o televisor não tenha prejudicado alguma peça fundamental. Esse exemplo serve para o caso da Umbanda, onde se algum charlatão cuidar da mediunidade de uma pessoa de forma errada, irá prejudicá-la e até mesmo causará uma terrível complicação para seu corpo físico e sua conexão mediúnica, sem falar no reflexo que isso causará em sua vida carnal, por conta das más influências espirituais que se aproveitarão da situação e da pessoa.

Agora vou tentar usar o mesmo exemplo no caso do Candomblé:

No Candomblé a coisa vai mais além, não que o mesmo seja mais profundo que a Umbanda, mas sim porque o ritual do mesmo penetra ainda mais o corpo espiritual do médium, pois, o seu ritual penetra e mexe com o centro mediúnico da pessoa, com uma "peça" que faz uma espécie de junção do espírito e do físico do iniciado com a espiritualidade, "peça" esta que conforme suas crenças, se é trabalhada em todas as reencarnações do ser humano para com a sua Divindade (Orixá, Inquice ou Vodum), no Candomblé se mexe direto no Orí, ou seja, na "cabeça" da pessoa, onde na Umbanda também chamam de "coroa mediúnica".

Vamos ao exemplo metafórico:

Vamos continuar com o raciocínio de que somos um televisor, nossa conexão depende de uma sintonia, mas que tudo isso depende de uma peça fundamental. Pois é, no Candomblé mexerão nesta peça, e se fizerem de forma errada, isso pode causar danos muito grave. É a mesma coisa que chamar um técnico para arrumar tal peça ou projetar a mesma para um televisor e o mesmo fizer de forma errada. Esta peça não funcionará e no caso de ser danificada, pode precisar de troca. Mas em nosso caso, o Orí não tem troca, a pessoa terá que aguentar as conseqüências até arrumar alguém muito competente para concertar o dano. Isso levará muito tempo, passará por diversos procedimentos e o preço será alto (não me refiro a valor financeiro e sim espiritual e pessoal). No caso do exemplo, este televisor não vai ser usado até ser concertado, mas dependerá muito da sorte de alguém querer arrumá-lo e continuar com ele. Ou então, tal televisor pode até funcionar, mas de forma que prejudicará outras peças, podendo até mesmo danificá-las, dando mais trabalho para o técnico que terá que concertá-la, sendo assim, tudo desanda, complicando ainda mais.

Portanto, no caso do iniciado é a mesma coisa do exemplo, tanto do iniciado como do Umbandista neófito. Se alguém trabalhar errado no iniciante, o mesmo poderá sofrer grandes prejuízos que serão refletidos em seu corpo físico e em sua vida carnal, causando danos até mesmo para aqueles que estão por perto.

A religião, tanto a Umbanda como o Candomblé é linda, os toques nos emocionam, os cânticos também, são grandes causadores de nossa admiração. Mas, os maiores causadores de emoções são as Entidades espirituais verdadeiras,os sérios dirigentes espirituais e nossa missão. Pode parecer frio de minha parte, mas, o maior incentivo para um iniciante seguir o seu destino nessas religiões é lidar com a realidade, ou seja, com a verdadeira face do seu caminho nelas. Religião, quando se é um integrante da mesma, é um lugar de trabalho, seriedade e dedicação, a diversão é conseqüência, porém, em meu ponto de vista, a emoção e o alívio do passe que acaba enganando nosso pensamento, fazendo acharmos que nos divertimos, pela tamanha leveza que sentimos numa gira ou toque. Quem está na religião somente por entusiasmo, apenas pensa que nela está, mas não, está ali só preenchendo espaço físico e até mesmo atrapalhando e se auto-atrapalhando.

Religião não é lugar para hobby ou lazer, é lugar para suar a camisa e trabalhar, independentemente do cargo que nela você se encontra.

Para o leigo, somente peço cuidado com você mesmo, pois, a arte do maquiavélico é enganar, criar fantasias na mente dos iniciantes usando seus entusiasmos e iludindo os mesmos. Cuide de você, entregar sua "cabeça" ou "coroa" pra qualquer um, é entregar sua vida e deixar com que pessoas de má índole a destrua. Não deixe que intercedam em sua fé e também em sua vida, pense um pouco com a razão e não com a emoção, sempre tente enxergar que "onde há fumaça, há fogo"! E que não vindo de intrigas e preconceitos, os conselhos e alertas daqueles que te querem bem, sempre será de boa valia, tente enxergar por cima do entusiasmo e da emoção, pois, templos e barracões incorretos são o que não faltam.

Infelizmente tenho que dar este alerta, digo infelizmente porque ambas as religiões, tanto a Umbanda como o Candomblé não merecem serem expostas diante deste alerta (nenhuma religião merece), mas muitos homens que estão por trás delas merecem... E como merecem! Cuide de seu corpo, valorize sua vida, pois é o maior presente que Deus nos concedeu, principalmente quando vinda com saúde e rodeada de boas influências. As religiões não foram feitas para produzir fanáticos, as religiões não foram feitas para interferirem em nossa vida pessoal; As religiões foram feitas para elevarem nossa consciência moral e espiritual, as religiões foram feitas para auxiliarem na evolução de nosso espírito, para que esta evolução também reflita saudavelmente em nossa matéria.


Por: Pai Carlos Pavão