27 de jan de 2017

Oxossi, o caçador divino

No mês de janeiro, a Umbanda celebra o Orixá Oxóssi. Todos os umbandistas se voltam para essa Vibração Sagrada, buscando nela a vivência da religião sob o puro ar da fé e da alegria.

O Templo Espiritualista do Cruzeiro da Luz celebrará sua homenagem festiva a esse grande Orixá no próximo sábado, dia 28 de janeiro (nós no Cantinho também faremos nossa homenagem à Oxossi nesta mesma data!).

Oxóssi vem sempre em nossa direção apontando seu arco e flecha de luz, nos convidando ao encontro de nós mesmos, como espíritos imortais, pelo conhecimento e sabedoria de quem se desprende das ilusões para ir em busca do ar puro das matas da espiritualidade.


No âmbito material, sob as circunstâncias evolutivas de nossas encarnações no Plano Físico, esse Sagrado Orixá nos oferece a energia da fartura alimentar e condições de vida saudável, pela fauna e flora, e a vibratória do conhecimento através da literatura, da ciência e das artes, proporcionando-nos a visão da perfeição divina, que se manifesta no belo e no puro.

Ele é o Caçador das Almas. Esta Sagrada Vibração sempre vibra no sentido de caçar nossos espíritos perdidos nas matas densas e escuras das ilusões materiais, que nos proporcionam desventuras mil, para nos reconduzir à mata verde, clara e pura da espiritualidade sublime e evangélica, através do conhecimento sadio e racional.

Encontramos Oxóssi no 4º Raio Vibracional, é o Poder Mantenedor. Oxóssi é o grande Caçador Divino, pois caça, através do arco e flecha do conhecimento e do raciocínio sábio, as almas dos seres encarnados e desencarnados, curando-os da lepra da ignorância, abrindo-lhes o raciocínio para o entendimento da beleza e da sabedoria do espírito a caminho da Casa do Pai.

O Orixá Oxóssi, na Umbanda, é sincretizado com a imagem de São Sebastião, em respeito a tradição sincrética dos africanos ao chegarem ao Brasil, estando, assim, respeitando a influência afro na cultura brasileira.

Junto a Oxóssi, como Vibratória Polarizadora, encontramos o Orixá Ossãe desempenhando o mesmo papel, através da manipulação das ervas, dotando-as de atividades energéticas medicinais e litúrgicas.

Medicinais no sentido da cura do físico, emocional e psíquico dos seres. Litúrgica pela concentração, de forma essencial, de energias sutis da terra, da água, do fogo e do ar, servindo para o culto dos diversos Orixás ou manipulações Magísticas.

As ervas têm ainda o poder de limpeza, quando usadas de forma correta, desintegrando miasmas e energias deletérias que ficam fixadas nos nossos corpos etéricos e perispirituais.

Os Caboclos

Oxóssi rege e vibra, do Alto, a grande Linha de Trabalhadores Espirituais de Umbanda que recebem o nome místico de Caboclos. Embora essas Entidades espirituais tenham suas vibrações próprias e pessoais, como espíritos individuais que são, estão, no entanto, todos reunidos em falanges que se abrigam sob a Regência Vibracional do Orixá Oxóssi, daí ser a festa em homenagem a esse magnânimo Orixá, também a Festa dos Caboclos de Umbanda.

Os Caboclos são espíritos benfeitores que adentram ao trabalho do movimento umbandista assumindo, em sua maioria, a roupagem fluídica de Índios. Contudo, vamos encontrar também, acompanhando o processo espiritual e no afã de passarem a mensagem evangélica e inclusiva social brasileira, os Caboclos que assumem a roupagem fluídica do homem do campo, os Caboclos Boiadeiros que, embora sob a Linha Vibracional de Oxóssi, vivenciam suas atividades na Umbanda com a energia dos ventos e campinas de Iansã. Os Caboclos Marujos, que nos falam da inclusão social do pescador e do homem do mar, sem deixarem de ser pertencentes à Linha de Oxóssi, vibram na Umbanda com a energia das águas salgadas de Iemanjá ou doces de Oxum. Os Caboclos Baianos, que vêm nos falar do homem nordestino, especialmente aqueles que deixando suas terras vão em busca de melhores condições de vida nas cidades grandes do sudeste e sul, sendo também da Linha Vibracional de Oxóssi, situam-se sob a irradiação transformadora de Obaluayê.

Os Caboclos são espíritos que se apresentam na forma de adultos, com uma postura forte, de voz vibrante, que trazem as forças da natureza, manipulando essas energias para trabalhar nas questões de saúde, vitalidade e no corte de correntes espirituais negativas, ensinando e usando a Doutrina racional à luz do Evangelho de Jesus. A Umbanda Espiritualista Cristã entende os Caboclos como símbolo de fortaleza, do vigor, da fase adulta, do caçador de almas e doutrinadores dos espíritos.

Todas as Entidades de Umbanda e, portanto, também os Caboclos, se manifestam no movimento umbandista trazendo e realizando, no micro, a Magística Universal Tântrica, Mântrica e Yântrica. Tântrica (Luz – Mente), pela canalização com seu médium e elevação espiritual de sua manifestação; Mântrica (Som), pelo seu brado característico, também chamado de Ilá; e Yântrico (Movimento), pela sua postura e movimentos característicos, por exemplo, o Caboclo Índio com a postura característica de atirar flecha e etc...

Aproveitemos, nós umbandistas espiritualistas cristãos, mais esta manifestação da misericórdia de Deus e nos aproximemos desses irmãos da espiritualidade, com suas roupagens fluídicas, e bebamos na fonte das mensagens que eles querem nos transmitir, desde a da sua forma mística de apresentação, como abrindo os ouvidos e o coração para as suas palavras orientadoras, para que assim possamos nos beneficiar com a finalidade da missão que esses amigos espirituais têm em relação a nós, seus irmãos caminhantes, nesse momento encarnatório de cada um de nós.