9 de set de 2016

Umbanda e Candomblé: temos semelhanças, mas não somos iguais!

Para entendermos as diferenças e semelhanças dessas duas vertentes religiosas, vamos fazer um breve comentário sobre o contexto histórico do Candomblé.

Na África antes e durante o processo de escravidão existia (hoje em pequenas proporções) o culto aos Orixás. No continente ele se desenvolvia como um culto familiar e tinha relação com as regiões, era como se cada lugar pertencesse a um Orixá.

Essa tradição foi trazida para o Brasil pelos africanos e aqui tomou pra si outro formato que culminou no que nós conhecemos hoje como Candomblé. É por esse motivo que
o Candomblé se classifica como uma religião afro-brasileira, nasce em solo brasileiro mas, possui matriz africana.

A Ekedi e Prof. Dra. Patrícia Globo explica no curso da plataforma Umbanda EAD, Candomblé – Religião Cultura e Tradição, que o Candomblé é fruto de uma condição histórica específica, conhecida como escravidão e se consolidou no Brasil, assim como a Santeria em Cuba e o Vodoo no Haiti.
  • Nesta explicação simplificada de como a religião se estabeleceu no país, já começamos a entender sobre suas diferenciações, tais como sua base de fundamentação. Veja abaixo algumas DIFERENÇAS entre Candomblé e Umbanda:
  • Candomblé é um culto afro-brasileiro, Umbanda é uma religião genuinamente brasileira (agrega influências dos cultos africanos, porém incorpora outras crenças também).
  • Mesmo sendo duas religiões que mantém o culto aos Orixás, cada uma trata de uma forma diferente esse culto.
  • Umbanda reconhece nas entidades de trabalho, ou seja, espíritos de pessoas que desencarnaram mas que voltam à terra por meio da incorporação do médium a prática da caridade.
  • No Candomblé o atendimento das pessoas é feito através da consulta nos búzios, já na Umbanda o passe – benção – e a conversa com os médiuns incorporados na gira é a maneira mais comum de se relacionar com a espiritualidade.
  • Na Umbanda existe uma dinâmica por meio da conexão com os espíritos humanos desencarnados – que como dito anteriormente quando incorporados aplicam os passes – em que eles trabalham também em prol da quebra de demandas, desobsessão, corte de magia negra dentre outros feitos. Já no Candomblé (mais ortodoxo) espírito humano (Egun) não pode se manifestar e a atividade acontece no Ori (cabeça da pessoa). O transe espiritual com seu Orixá pessoal é um tipo de manifestação que acontece de dentro para fora, e sendo assim, de uma maneira geral os candomblecistas não praticam a incorporação, ou seja, a mediunidade não é um precedente.
  • Cada uma dessas religiões possui suas fundamentações, ritos e estrutura religiosa específica. Poderíamos citar muitas outras diferenças, mas seria conversa pra mais de mês..
As semelhanças mais evidentes (lembrando que tudo depende da vertente em que se segue) entre essas duas confissões de fé está no culto aos Orixás e o uso de atabaques na liturgia. Entretanto, mesmo existindo essas duas particularidades, a Umbanda vai interagir de uma forma diferente do culto no Candomblé.

Enfim, como dito tanto Umbanda quanto o Candomblé são religiões que agregam muito da cultura e da pluralidade do povo brasileiro em seus fundamentos, posto isso, ressaltamos que vale a pena conhecer e se aprofundar mais sobre essas manifestações que contam parte da nossa história. O curso de Candomblé – Religião, Cultura e Tradição traz essa temática para discussão. Clique aqui assista a uma aula gratuita e conheça o ensino do Umbanda EAD.


Por: Júlia Pereira
Fonte: Umbanda EAD