26 de set de 2016

Exu Malandrinho do Cruzeiro das Almas


Ao aproximar-se o dia de mais uma festa em homenagem ao Sr. Exu Malandrinho do Cruzeiro dass neste ano de 2016, a 34ª ininterrupta, relendo o texto abaixo, escrito por mim em 2010, senti a mesma emoção, extremado carinho e preito de agradecimento a este nosso grande amigo, e que nada teria a acrescentar ou tirar das minhas palavras nessa época, podendo-as fazer atual, apenas com mais alguns anos de trabalho juntos. Sr. Malandrinho é isso só. Com sua mensagem constante de “para a frente e para o Alto”, continua a espargir alegria, confiança e amizade, nos ensinando a não temer a vida nem a morte, nem os percalços nem as traições, importando que sejamos só verdadeiros. Quantas vezes ele me tem dito: “Meu menino, sofra pela verdade, mas não aceite
um momento de prazer na mentira”. Nada temer, se houver algum temor deve ser em relação a nós mesmos, no sentido do perigo de nos deixamos envolver pelo inimigo interno do orgulho, da vaidade e do egoísmo. Para ele tudo tem solução quando se tem fé, pois se as coisas não acontecem como gostaríamos, acontecem de acordo com a vontade de Deus, sempre para nosso bem maior, pois “Deus tira água de pedra”.


Nesta semana que antecede a sua Festa, queria mais uma vez dizer a este amigo espiritual que o amo e agradeço a sua paciência para comigo, e seus ensinamentos sempre sob a luz das orientações seguras do Pai Ventania, de quem é digno Mensageiro.

Alegro-me com o Sr. Malandrinho por ocasião dessas justas homenagens que o Cruzeiro da Luz lhe presta, e peço a Jesus que o abençoe sempre com Sua Luz, na senda do progresso espiritual que ele busca percorrer conduzindo a nós, seus amigos, sempre “PARA A FRENTE E PARA O ALTO!

Cabe muito bem ao Sr. Malandrinho o texto deste belo ponto de Umbanda em homenagem ao Exu:

“Pois Malandrinho não é para ser comentado,

Ele é pra ser curtido,

Ele é pra ser amado”!

Passemos ao texto:

Falar do Exu Malandrinho, para mim, é motivo de alegria e grande emoção. Esse amigo, do Plano Espiritual, é um companheiro constante, numa amizade fiel e serena. Foi nos idos dos anos 70, quando iniciava minha caminhada na estrada do espiritualismo umbandista, que fui levado a conhecer esse, que durante tantos anos, se tornou companheiro de trabalho e grande conselheiro nos meus saltos e nas minhas quedas na estrada dessa encarnação atual.

O Sr. Alfredo, nome que tinha na sua última encarnação em Minas Gerais, hoje trabalhando na Linha dos Exus e na Falange dos Malandrinhos, espíritos protetores, defensores e conselheiros na Umbanda, me escolheu para que, através de nossa amizade e minha débil mediunidade, pudéssemos levar aos corações doridos a chama da esperança e da ajuda.

Obrigado querido amigo. Lembra-se daquela noite, num Templo de Umbanda no bairro de Maria da Graça, RJ, quando, pelas mãos do Sacerdote Dirigente daquele Templo – Vovô Congo da Bahia - e seu Exu Tiriri Menino, a quem devo e agradeço os meus 1ºs passos na Umbanda, foi chamado na minha mediunidade esse Exu que se tornaria o meu grande e fiel companheiro pelo resto da minha caminhada nessa encarnação. De perto ou de longe, de acordo com meu momento experiencial, Sr. Malandrinho nunca arredou pé da minha vida. E eu que tinha tanto medo de Exu...! Claro, era Sacerdote Católico quando espocou a minha mediunidade, o que me levou a deixar o clero para me aprofundar no Espiritualismo, especialmente no espiritualismo Umbandista, e Exu, como para tantos bobos que pululam na estrada sem esclarecimento e razão, era o diabo com chifre, rabo e algo mais... Quanta ignorância...!

Naquela bendita noite surgiu o meu amigo, no uso dessa minha mediunidade tão pequena, mas seguro e certeiro, com um convite irrecusável pela amorosidade e alegria do mesmo, para trabalharmos juntos nessa selva de pedra. Ele do lado de lá, como outros Guias que trabalham comigo; e eu, do lado de cá, deixando, pela estreiteza dessa amizade e afinidade, que ele se expressasse da melhor maneira possível no afã de levar aos corações doídos a ajuda, o consolo e a cura.

É, meu querido amigo, e aqui estamos nós, hoje, no Cruzeiro da Luz. Ambos de mãos dadas com o Pai Ventania, juntos com outros amigos dos dois planos da vida, como o Sr. Exu Sete Encruzilhadas, rumando em busca do infinito, só sentindo que tantos outros irmãos não compreendam o valor da amizade fiel e da fé pura, para que possam nos acompanhar nesta estrada de trabalho, de disciplina, mas, também, de muita alegria e esperança.

Olhando para trás vejo a fila de irmãos encarnados que passaram por você, Malandrinho. Quantos conselhos, quanta ajuda, quanta oferta de amizade, quanta alegria transmitida. Assim é ele, o meu amigo Malandrinho, transmissor de esperança e alegria.

Lembrar de você, Malandrinho, é lembrar de tantas lutas juntos pelo crescimento, é lembrar de tantos momentos felizes e alegres, é lembrar de sua presença e palavra amiga, encorajadora e firme, empurrando esse teimoso do “seu menino” para a frente e para o alto, mas, como você sempre me diz, nunca de cabeça baixa, sempre de cabeça erguida e com o sorriso nos lábios, pois tudo é caminho, tudo tem seu lado bom e o essencial se esconde no nosso interior, daí explodindo na alegria do exterior.

Obrigadão meu amigo querido e, continuemos. Você daí e eu de cá, até quando Deus quiser e, como somos imortais, sabemos que juntos estaremos pela eternidade, pois o amor é eterno, ele é a essência divina em nós e tudo que é ligado pelo puro amor, nunca acaba. Que bom saber disto, amigo do meu coração.

Para frente, juntos, o Cruzeiro da Luz nos espera, os espíritos encarnados e desencarnados, também.

Esse é o Sr. Malandrinho para mim. Palavras não exprimem a verdade desse espírito de escol que, escondido sob a capa da Linha dos Exus, expande sua luz através da Paz que transmite e da Alegria que imprime.

Larô Yê Exu Malandrinho do Cruzeiro das Almas!


Por: Pai Valdo - Dirigente do Cruzeiro da Luz