11 de ago de 2016

O que vem do assombro?

Axé! Axé!! Axéééé… Que alegria, sufoco, dor, densidade… Quanta tristeza, felicidade, choro, raiva, pensamentos, rezas e não rezas… Quantas velas acessas, gritos dados, cortes feitos, limites firmados, forças restauradas, dias amanhecidos, noites percorridas, trabalho suado, tudo, tudo cheio de mudanças e transformações.

TUDO determinado.

NADA descontrolado!


Espera lá, diante de TUDO e TODOS seria possível pensar que tudo está certo, que tudo está determinado, que nada está descontrolado? Seria fácil perceber a nossa necessidade de controle, nossa desumanização, nossas fraquezas? Conseguiríamos lembrar firmemente que somos médiuns, que temos Sete Linhas nos protegendo e que vivemos sob as ações do Destino emparelhadas com Nossas decisões???

Difícil, suponho.

Pior creio eu, é firmar quem somos mesmo, o que queremos, onde estamos, para onde vamos, quem está conosco nesses momentos em que não temos certeza, que não percebemos e que não acreditamos que TUDO está determinado, que NADA está descontrolado.

Eu sei que normalmente essas inquietações assolam nossos ideais naqueles tropeços e quedas do dia a dia. Sei que habitualmente elas ecoam fortemente dentro de nós naqueles, mesmo que pequenos, fracassos. Eu sei!

E sei também que são essas mesmas inquietações, com suas respectivas respostas que PRECISAM ser firmadas dentro de nós para que aconteçam as edificações em nossas vidas. São elas, com toda nossa inteligência racional que PRECISAM ser solidificadas como rocha em nosso íntimo para que nada desabe.

São essas!

São essas interrogações que temos que bancar, lembrar e Ser assim que soubermos responder com maestria, pois eis que são nossas assombrações e nossas salvações.

Então pense nelas agora. Use sua essência e responda com calma, inteligência e verdade: Quem você é? O que você quer? Onde você esta e para onde vai??? E se quiser ainda continue: é possível pensar que tudo está certo, que tudo está determinado, que nada está descontrolado? É fácil perceber a nossa necessidade de controle, a nossa desumanização, as nossas fraquezas? Conseguimos lembrar firmemente que somos médiuns, que temos Sete Linhas nos protegendo e que vivemos sob as ações do Destino emparelhadas com Nossas decisões???

Por vezes fico relacionando as coisas e percebendo a grandeza de Deus e de nossa existência, fico fascinada com a sutileza dos mais diversos sentimentos e situações, fico maravilhada e óbvio, espantada com algumas situações que provam e comprovam a Supremacia Divina… Alguém já percebeu que muitas das coisas que nos fazem sofrer, nos traz felicidade; que muitas das coisas que nos adoecem também nos curam; que das duvidas que alcançamos as certezas; que do mal que vem o bem; que da tristeza que vem a alegria; enfim, que da noite que vem o dia assim como que da morte que vem a vida ou se preferirem: que do Fim que vem o Começo…. Sublime!!!

Sublime entender que são aquelas tais perguntas que nos assombram, que pulsam dentro de nós apertando nossos corações fazendo-os sangrarem em formas de lágrimas que são nossa salvação. São as perguntas carregadas de respostas certas, pulsantes e quentes – respostas vivas e fieis – que nos salvam! Eu garanto!!!

Eu garanto na mesma certeza que eu agradeço por estar aqui. Que agradeço a Deus, aos Orixás, a todo Plano Superior, as minhas famílias e especialmente, as minhas três razões de alegria e tristeza – oGuM – (meus amores, não me canso de dar provas, de falar em atos e de dar mais que devo) por estar aqui, por ainda ter dor, alegria, fé, esperança, perdas, agonias, risos eeee…. emoçãoooooo……..

Enfim, para ajudar deixo essa frase que para mim é uma bela inspiração impregnada de verdade no âmago de cada palavra:

“Ser Médium é um título. O exercício DIÁRIO da mediunidade com generosidade, coragem e resiliência é um Dom Divino.”


Por: Mãe Mônica Caraccio
Fonte: Minha Umbanda