18 de jul de 2016

O Atabaque e seus fundamentos

O atabaque é um instrumento musical Sagrado na Umbanda, utilizado nos trabalhos espirituais para produzir vibrações energéticas, que são direcionadas pelo guia chefe, para determinados trabalhos realizados no terreiro.

Há três tipos de atabaques: O Rum, o Rumpi e o Lé.


O Rum é o primeiro atabaque, o maior entre os outros, e sempre é tocado pelo Ogan chefe, e só poderá ser tocado por outra pessoa, desde que o Ogan chefe permita. A função deste atabaque é dar os primeiros toques nos pontos, repicar e conduzir os trabalhos impulsionando energias, isso justifica tamanha importância e respeito por se tratar do atabaque do Ogan.

O Rumpi é o segundo atabaque, de tamanho médio, e poderá ser tocado por qualquer outro filho considerado um atabaqueiro, e autorizado pelo o Ogan chefe. A função do Rumpi é dar somente o ritmo do toque e manter a harmonia, tendo sua importância particular, pois ele é responsável por sustentar a energia básica trabalhada pelo toque.

O Lé é o terceiro atabaque, o menor entre os três, tocado pelo Ogan ou atabaqueiro iniciante, que ainda está em processo de aprendizado, seguindo sempre os toques do Rumpi. Pode ocorrer de que o guia chefe indique futuros Ogans e atabaqueiros, e o Ogan chefe tem o direito de compartilhar ou não desta indicação, caso seja compartilhada, cabe a ele designar o atabaque que será tocado pelo iniciante.

O atabaque é composto por 3 elementos naturais, que são: a madeira, o ferro e o couro.

A madeira, que é regida por Xangô, tem a função de equilibrar a vibração do som e sustentar o cumprimento da justiça divina durante os trabalhos.

O ferro, que é regido por Ogum, tem a função de fortalecer o trabalho realizado no atabaque, dando garra e força ao Ogan e demais atabaqueiros, para enfrentar as dificuldades que ocorrerem durante os trabalhos, e energeticamente garantir a ordem.

O couro, que é regido por Exú, tem a função de atrair parte das energias condensadas trabalhadas dentro do congá, auxiliando na limpeza das mesmas, e quando o Ogan toca o couro do atabaque, a vibração produzida pelo toque, quebra a contra parte etérea destas energias, dissolvendo-as no astral.

Sendo assim, o atabaque é responsável, juntamente com as entidades, pela manipulação de três energias básicas, que são: sustentação, ordem e movimento.

Ao ingressar com o atabaque dentro do terreiro, é iniciado um processo de limpeza, para descarregar todas as energias depositadas no atabaque, desde quando foi manipulado para sua fabricação, até o momento de ser comercializado.

Após ser descarregado, o guia chefe (dono do atabaque) imanta-o com suas mirongas, energizando-o e ligando-o com a energia da casa.

Feito isso, o atabaque está pronto para ser utilizado pelo Ogan ou atabaqueiro nos trabalhos realizados pelo terreiro.

A responsabilidade do Ogan ou atabaqueiro é:

1) Do Ogan:
  • Avaliação e aprovação dos pontos cantados que serão introduzidos nos trabalhos;
  • Conservação e manutenção da pasta de pontos cantados;
  • Ensinar os preceitos de utilização dos atabaques, mantendo a disciplina;
2) Do Ogan e atabaqueiros:
  • Cumprir com os preceitos de utilização;
  • Conservação e cuidado com os atabaques;
  • Responsabilidade do transporte dos atabaques (trabalhos realizados fora do terreiro);
  • Se aprofundar nos toque e pontos cantados, e em seus fundamentos.

Tendo em vista o exposto, os atabaques jamais deverão ser utilizados para quaisquer outros fins, a não ser para os trabalhos espirituais realizados pelo terreiro.


Por: Ogan Diego Costa e Mãe Solange de Iemanjá