11 de jan de 2016

Mediunidade I


Darei início a uma série de artigos referente ao tema ``MEDIUNIDADE’’, onde ilustrarei sobre o assunto de uma forma um pouco mais dinâmica, tentando ser o mais objetivo possível e ao mesmo tempo, não tornar os textos cansativos, todos os artigos terão continuidade até que eu numa última postagem os encerrem. Antes de dar início a esta série sobre mediunidade, vou deixar em observação alguns pontos importantes:

Vou especificar sobre os principais fatores a respeito da mediunidade que rodeiam o cotidiano da Umbanda, também usarei uma linguagem mais popular, fora do contexto formal e científico que traz
os estudos espíritas, recomendo para aqueles que querem estudar mais a fundo sobre os processos mediúnicos o Livro dos Médiuns de Allan Kardec, este ilustrará mais a fundo as questões técnicas a respeito da mediunidade, porém, nas questões práticas que trazem o livro, o direcionamento está nas escritas através da mesma, portanto, o umbandista que ler, tem que obter muito cuidado ao discernir o conteúdo depositado no Livro dos Médiuns para com o cotidiano umbandista.

O que é mediunidade?

Mediunidade é a ponte que possibilita o contato entre o mundo físico com o mundo espiritual, ou seja, a comunicação dos seres físicos com os seres espirituais e vice-versa. Muito importante citar que os rituais ou seitas que insinuam contatos com mortos (cadáveres) nada tem a ver com mediunidade ou contato com seres espirituais, nos quais no consentimento umbandista e espírita são seres vivos, porém, sem o entrelaço do corpo físico/material (este ponto gera muitas polêmicas nas interpretações de cristãos seguidores da Bíblia ocidental para com nós umbandistas e espíritas).

O médium

Chama-se de médium o indivíduo que possui e desenvolve sua a mediunidade. É muito importante citar que, todos os seres encarnados têm a possibilidade de serem médiuns, porém, somente são considerados médiuns, aqueles que a desenvolvem e usufruem de sua prática a fins de contato com a espiritualidade.

Tipos de mediunidade

A mediunidade não se apresenta de uma só forma, existem sintomas mediúnicos diferenciados. Cada indivíduo carrega uma individualidade conforme os sintomas mediúnicos, algumas pessoas somente têm um tipo de mediunidade e outras carregam outros diversos tipos, isto é variável.

Os sintomas mediúnicos andam conosco a todo o tempo, indiferente de religiosidade, fé ou credo. Um simples pressentimento ou aquele medo desconhecido o alertando a respeito de algo já é um sintoma mediúnico, onde algum ser espiritual está lhe comunicando a respeito de algo, ou lhe alertando sobre algum perigo evidente. Isto torna este indivíduo médium? No meu entendimento, não. Este obteve um sintoma mediúnico, mas para ser médium, deve desenvolver a mediunidade e colocá-la em prática, diante as precisões espirituais divinas, advindas dos espíritos superiores que trabalham em nome de Deus, espíritos esses que chamamos de Guias ou Entidades espirituais. Tiramos o exemplo de um profissional, você ensinar alguém a somar ``2+2’’ não o transforma num matemático, para se tornar um, deve-se estudar, se desenvolver constantemente para assim, se tornar um profissional da área e ser considerado um matemático.

Existe toda uma classificação que Allan Kardec através do espiritismo denominou para os diversos tipos de mediunidade, mas como havia dito, vou entrar numa linguagem mais focada no popularismo, e também focar os tipos de mediunidade mais comum na Umbanda. É muito comum surgir na Umbanda o que chamamos de médium de incorporação, aquele que sede seu corpo como um veículo para as entidades espirituais conduzi-lo, este é um dos focos principais do culto, porém, todos os demais participantes que não sejam o que chamamos de ‘’rodantes’’ (médiuns de incorporação) geralmente são conduzidos na prática do culto por algum tipo de mediunidade, mais a frente este ponto do assunto será esclarecido para cada um, conforme a explanação de cada tipo de mediunidade mais comum na Umbanda. 

Bem, no cotidiano umbandista, as mediunidades mais comuns são: O médium inspirado, onde este sintoma não se encaixa na incorporação; e os demais que estão classificados diante o ato da incorporação mediúnica, que são: o médium intuitivo, médium inconsciente (mecânico)e o médium consciente (semimecânico)...


Por: Carlos Pavão