13 de ago de 2015

Formação religiosa infantil na Umbanda


A importância da formação religiosa infantil desde os tempos imemoriais, a humanidade procurou registrar pela escrita os acontecimentos, idéias, ensinamentos, experiências e símbolos que marcam a sua passagem pelo tempo. As civilizações extintas continuam a falar através dos diversos tipos de escrita que deixaram.

Este foi o problema com a memória de nossa Umbanda: pelo menos 1000 anos de tradições africanas, se perderam com a escravidão no Brasil. Somente com a popularização de nossa
religião e com a luta contra o preconceito conseguiremos ser respeitados pela má informação.

Hoje temos mais facilidade para falarmos de Umbanda e de cultos afro-brasileiros que no passado. Portanto, maior responsabilidade com nossas crianças, podemos torná-los atuantes em nossas vidas e aprofundá-los nos ensinamentos em comunhão com nossos irmãos.

Vamos incentivar o hábito da boa leitura nas novas gerações, especialmente em leituras que impulsionem o progresso espiritual.

A formação religiosa infantil pode:
  • Promover o desenvolvimento sadio e integral da criança
  • Proporcionar o gosto pela vida em fraternidade, em condições de relacionamentos consigo e com as outras pessoas.
  • Sensibilizar a criança para as questões sociais, culturais, políticas e econômicas, despertando uma visão crítica da realidade.
  • Despertar o espírito de liderança.
  • Despertar o compromisso religioso, na vivência da espiritualidade umbandista, cultivando o espírito da meditação.
  • Despertar para o relacionamento construtivo da vida familiar.
Sugestões para criar uma boa aula:

Cada lenda de Orixás oferece uma infinidade de materiais para pesquisa que podem ser adaptadas conforme a idade e a série:
  • Utilizar-se de instrumentos musicais com pontos cantados para contar a história.
  • Pesquisar e construir outros instrumentos africanos (sucata, maquetes de terreiros)
  • Destacar palavras que apareçam no texto pesquisar em dicionários e criar outras histórias utilizando-se das palavras africanas.
  • Criar um banco de palavras de origem africana, ensaiar encenações das lendas, corais de pontos cantados.
  • Elaborar explicações simples do ponto riscado.
  • Preparar receitas de comidas de Orixás para degustar com os alunos.
Para o desenvolvimento da aula:
  • Fazer um estudo da realidade: levantamento sobre as religiões afro existentes no Brasil e identificar suas origens o mesmo fazer com a religião de umbanda
  • Correlacioná-las com fatos históricos, entrevistas com Pais-de-santo, Ogãs, Médiuns, Cambones,... E fazer levantamentos bibliográficos.
Diagnóstico e resultados:
  • Exposição dos resultados conquistados pelos estudantes.
  • Criar uma graduação para a criança dentro da tenda (assim como: cambono mirim, curimba mirim...)
Muitas vezes não damos conta da importância da palavra em nossas vidas, às vezes, pela pressa, às vezes pela calmaria. Não há depressão que resista a uma boa leitura, a uma boa conversa.

Pense nisso, os Orixás agradecem.