21 de ago de 2015

Busca da liberdade

Já estamos no mês de agosto de 2015. O mundo continua dando suas voltas, fazendo com que o tempo se escoe por entre nossas tão valorizadas e frágeis opções de vida encarnatória. Agosto, na vida daquele que busca a sabedoria do espírito, como todos os dias do ano, é um convite ao amadurecimento e purificação mental, emocional e físico, sob a luz do Evangelho do Cristo na conquista do bem mais precioso, que é a Liberdade Espiritual.

Essa liberdade tão ansiada, e tão pouco conquistada, mesmo por aqueles que se dizem livres, mas não conseguem controlar seus temperamentos irascíveis, suas paixões descontroladas, às vezes um pequeno vício, como o do fumo, suas fugas através dos achismos e melindres, julgamentos do comportamento alheio, isso sem falar nas ilusões prazerosas do mundo buscadas como tábua de
salvação e, normalmente, esfaceladas pela realidade temporal da vida terrena.

O amadurecimento a que o tempo nos convida a buscar é a liberdade em relação ao nosso "ego = eu" pequeno e mesquinho, iludido e sofredor.

Infelizmente a maioria de nós, apesar da mensagem do tempo que se escoa, o qual, como um dedo aponta para a nossa realidade eterna de águias, ficamos parados nesse mesmo tempo, ciscando a poeira e a lama da terra, na temporalidade, em busca de míseras e passageiras minhocas sem se atinar a esse convite constante do tempo a nos libertarmos da escravidão das ilusões que nos remete constantemente ao vazio e à desilusão.

Olhar para a beleza e grandeza da Espiritualidade que, seja na Umbanda como nas demais Religiões, se unem para o trabalho libertador da iluminação dos corações para que as vidas sejam resgatadas da escravidão, subordinação aos valores passageiros e egóicos é meta despertadora. Diz o Apostolo Paulo “despertai tu que dormes e o Cristo vos libertará”. Contudo, vemos o mundo, os seres encarnados, envolvidos pelo sono e sonho aprisionador na temporalidade sem se preocuparem com o seu fim último que não está aqui, mas no mais Alto, no atemporal, em Deus.

Esse sonho egóicos leva a muitos de nós a fantasiarmos deuses e religiões com os quais tentamos continuamente preencher o vazio interior que só o Deus Verdade o pode, e esse Deus, para nós Cristãos se revela e nos acolhe amorosamente por meio de Jesus na luz do Evangelho em seu todo. Não adianta usar a imagem de Jesus e acolher do Evangelho apenas frases ou textos que apliquemos na construção de nossa falsa religiosidade voltada ao temporal, pois o vazio continua e a dor e o sofrimento ao nos alcançar se encontrará sem resposta na nossa vivência diária.

Dizia Sto Agostinho que “se gosto no Evangelho apenas daquelas coisas que me agradam, eu não gosto do Evangelho, eu gosto é de mim mesmo”. E hoje vemos continuadas repetições fraudulentas de construções doutrinárias e religiosas que podem encher os olhos da curiosidade, da fantasia, da novidade, mas jamais preencherão nossos corações, que é a nossa verdadeira identidade e interioridade atemporal, pois como diz ainda o grande filósofo cristão Agostinho: “Senhor, nós nascemos de Ti e nosso coração só terá repouso quando retornarmos a Ti”.

Enquanto estivermos em busca de falsos deuses que mantenham nossa acomodação, que não nos tire da “zona de conforto”, estamos fadados a essa busca repetitiva de novos valores caducos que tentam preencher com o limitado e falso o nosso vazio que foi criado para ser preenchido com o Ilimitado e Verdadeiro.

E só Jesus nos afirma: “Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida”.

Sim, Orixás, Guias, Magística, etc..., foram colocados à nossa disposição pela Misericórdia Divina como meios impulsionadores em direção ao mais Alto, a Deus, através de Jesus Cristo. O que vemos é a deturpação de seus verdadeiros valores, que seriam apenas de instrumentos impulsionadores, para valores finalistas que estacam na nossa cegueira e tentativa de acomodar nossas ânsias temporais, até que a morte nos encontre dando a última palavra à crença ególatra da ansiosa busca dos valores passageiros, egóicos, longe do Amor, nos fazendo despertar no Plano do Espírito de mãos vazias e sentindo-nos enganados pela temporalidade tão amada e idolatrada.

Nunca o mundo foi tão cercado por “religiões” de tantos matizes e gostos, como mercadorias expostas em supermercado, que posso escolher de acordo com meu gosto e “curiosidade de ouvir”, e nunca o mundo esteve tão voltado ao materialismo, envolto na violência bárbara, no sensualismo, nas drogas, etc. Os homens e mulheres, vazios, vivendo numa onda de neuroses, depressões, ansiedades e desamor, batendo de porta em porta (diversas religiões, Gurus, Ciganas e etc, oferecidos) sem atinarem pelo engano e falsidade desses valores, explorados por mistificadores, interesseiros e pessoas egóicas, que não os libertam, ao contrário os estagnam em valores falsos, trazendo às suas vidas desassossegos e tristezas, frutos da carga de energias sombrias produzidas pela suas próprias ansiedades por não encontrarem a solução buscada na inércia de uma vida acomodada à temporalidade apenas.

O Apostolo Paulo em sua Epístola aos Coríntios nos adverte: “Se é só para esta vida que pusemos a nossa esperança em Cristo, somos, dentre todos os homens, os mais dignos de compaixão. A ressurreição e o triunfo final de Cristo.” (1Cor. 15:19)

Nesse contexto de busca e sombras continua a ecoar, através dos Sagrados Orixás, dos Luminares e dos abençoados Guias o convite à interioridade, a volta ao Evangelho, ao conhecimento do Cristo Jesus a convidar: “Vinde a Mim, todos vós que estais cansados e sobrecarregados e Eu vos aliviarei. Tomai sob vós o meu jugo, pois o meu jugo é suave e meu peso leve”.

Só existe uma Luz capaz de preencher nosso vazio, não da forma mesquinha e temporal que teimamos em buscar, mas com a conotação de eternidade atemporal, e essa Luz emana de Deus Amor, a nos convidar e envolver, por meio de Jesus, para uma vida de paz e alegria interna e não externa e passageira: “Eu sou a Luz do mundo, quem me segue não anda nas trevas”. Ora, trevas é escuridão, cegueira, temporalidade, ilusão. Nós ansiamos, mesmo sem perceber, por luz, paz, visão atemporal, vida. E Jesus nos diz no Evangelho: “Eu vim para dar a vida, e dá-la em abundância”.

Os verdadeiros Orixás e Guias falam e proclamam aos nossos ouvidos espirituais, “quem tem ouvidos de ouvir que ouça”: “É Jesus quem cura; É Jesus quem consola; É Jesus quem orienta. Nós, Guias e Médiuns, somos meros instrumentos de Sua MISERICÓRDIA”. E nós, ainda vamos a eles buscando idolatrá-los como se fossem finalidade, solução para nosso vazio, ou vamos a eles buscando cura e orientação que nos impulsione apara o Essencial, que é Deus realizando Seu Amor em nossas vidas?

Não troquemos o essencial pelo acidental, pois se assim o fizermos como nossos impulsos ególatras nos direcionam, estamos fadados ao “inferno” de uma vida interior seca e comprometida com o vazio e o desamor. O inferno que realmente existe é aquele criado em nós por nós mesmos, e ele será eterno enquanto o sustentarmos com nossa ignorância, orgulho e ilusão. “É eterno enquanto dure”.

Para amarmos os nossos irmãos de verdade é necessário amarmos a Deus primeiro, mas o Deus que amorosamente se nos revela na pessoa de Jesus Cristo, o Verbo Encarnado. Através de Jesus podemos conhecer a Deus Amor e assim amá-Lo, pois ninguém ama o que não conhece. Dizia São Francisco de Assis: “Como os homens poderão amar aos seus irmãos se não amam o Amor? ”

O tempo é o grande sábio que nos aponta a direção correta para o encontro conosco, com nossos irmãos e, principalmente, com Deus, fonte de paz e alegria."

O sábio aponta a direção, os tolos ficam olhando o dedo".

A Umbanda Espírita Cristã quer ser uma mãe a ensinar e a encaminhar seus filhos para a evolução e engrandecimento espiritual, nos ajudando a caminhar por essa estrada, apontada pelo tempo que se escoa, nos conduzindo á vivência da Humildade, Sabedoria e Pureza de Coração, na luz vibrada da FÉ, da RENOVAÇÃO, do CONHECIMENTO, da LEI, da JUSTIÇA, do AMOR e da EVOLUÇÂO pela purificação e amadurecimento do nosso ser espiritual, dirigir o foco para Jesus orientando nossas vidas pelo Evangelho, onde os nossos queridos Orixás nos aguardam, com seu carinho e amor de pais e mães, para nos garantir a PAZ e a ALEGRIA em nosso caminhar.

Aproveitemos e escutemos a lição do tempo e busquemos avidamente viver o nosso hoje, mas na perspectiva do amanhã, pois o nosso dia a dia só tem significado se for uma conquista do amanhã, pois "a alma constrói o próprio destino: degrau a degrau" (Leon Denis).


Por: Pai Valdo - Sacerdote Dirigente do T. E. Cruzeiro da Luz