25 de jun de 2015

O abacate que caiu do pé - oferenda para Oxossi.


Fui caminhar hoje ao final da manhã, na praça Alim Pedro, que fica no Bairro IAPI, em Porto Alegre, cidade em que resido. No entorno da praça, tem muitas árvores frutíferas. Andava eu a respirar o ar gelado propiciado pela manhã invernal gaúcha, temperatura batendo os 12 graus com sensação térmica de 9 e pensava em como Deus é amoroso e fonte de abundância em nossas vidas. Ele que nos dá esta natureza maravilhosa para nosso deleite. Subindo a rua que circunda o parque, chego ao memorial Elis Regina, local muito arborizado no bairro, que é tombado como patrimônio histórico e cultural da
cidade. Deparo-me com um abacate no chão caído de frondoso abacateiro. Sua casca tinha sido parcialmente rachada e 5 lindos sabiás laranjeira tentavam rompê-la com seus bicos para comerem a fruta. Fui até o abacate, dividi-o em duas metades e as dispus aos pés do abacateiro, agradecendo a Oxossi a oportunidade de arriar esta oferenda no seu ponto de força vibracional, oferenda que seria alimento para os 5 sabiás laranjeira, que ficaram alegres bicando o abacate e se banqueteando com esta oferta dadivosa da mãe natureza. Voltei para casa feliz e refletindo que a Umbanda é uma louvação a vida, como bem diz a letra de seu hino.

Infelizmente a realidade que verificamos é bem diferente do que nos diz o hino da Umbanda. Prepondera a mortandade animal nas praças e cruzamentos de ruas de Porto Alegre. Nada a ver com a Umbanda e a sua força mantenedora vital do Mundo Oculto, mas muito haver com a atitude equivocada de pessoas que matam os irmãos menores em favor dos seus interesses magísticos e se dizem praticantes da religião Umbanda, não importando se o outro que frequenta o mesmo lugar público é de outra crença. Sem entrar no mérito da liberdade religiosa - liberdade esta que vai até onde começa o direito do outro de exercer a sua religião em locais públicos e termina o meu, pois nem todos aceitam animais putrefatos nas praças da cidade -, "liberdade" que violenta e polui com bichos mortos os locais de uso comum pela sociedade que é de todas as crenças, a verdade é que o ser humano é o único animal planetário que mata outro pelo mero prazer de abater a caça e, terrível, o seu semelhante, não sendo por motivo da sua auto-defesa e sobrevivência. Mesmos os leões nômades, quando se apossam do domínio de outro bando, matam o macho mais velho e os seus filhotes para estabelecerem seu território objetivando a proteção e procriação da espécie. Nunca veremos um animal matando para fazer mal a outra espécie ou simplesmente para seu deleite, como acontece com os "evoluídos" humanos. Inimaginável uma leoa, exímia caçadora, destroçando os filhotes de um ninho de emas somente pelo prazer de matar. E os homens, matam por prazer e em nome de Deus...

(...)
A Umbanda é paz e amor 

É um mundo cheio de luz 
É a força que nos dá vida 
e a grandeza nos conduz. 

Paz, saúde, força e união.


Por: Norberto Peixoto