17 de fev de 2015

Sete Linhas de Umbanda – Parte I

No começo, muitas pessoas queriam decifrar o mistério das Sete Linhas de Umbanda e isso deu muita confusão, porque todos achavam que estavam certos em suas interpretações sobre elas. Mas, quando estudamos as classificações criadas no decorrer dos anos, vimos que o enfoque de todos estava na contramão, porque as Sete Linhas de Umbanda não são sete linhas de trabalho ou sete Orixás, e sim sete irradiações divinas. Este assunto das sete linhas é um dos que, futuramente, poderá ser resolvido, mas agora o que interessa é estudarmos para saber o que está revelado até agora sobre isso.

Como já dissemos, no Candomblé não existe esse mistério das sete linhas. Isso surgiu dentro da Umbanda, trazido pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas. Antes de ele ter aberto esse Mistério na Umbanda não existia nada escrito sobre as sete linhas e, se observarmos com atenção, veremos que a nossa religião tem seus fundamentos e tem uma forma de exteriorizar seu conhecimento oculto, que está sendo aberto, sem depender de explicações alheias, por meio dos livros enviados até nós por Pai Benedito de Aruanda.

Podemos explicar muitos dos nossos fundamentos a partir do Setenário Sagrado, que existe e está presente em quase todas as religiões, e não somente na Umbanda. Mas temos hoje uma explicação lógica para este Setenário Sagrado, em que ele é associado às sete irradiações divinas, aos sete sentidos capitais da vida, aos sete símbolos sagrados; aos sete elementos formadores do planeta, às sete essências, aos sete fatores e aos sete poderes originais exteriorizados por Deus. Está associado também aos sete Orixás ancestrais, que são absorvedores dos sete fatores e das sete essências originais, vivas e divinas, que estimulam os sete sentidos e dão origem aos sete símbolos sagrados, etc, tudo comandado pelas sete irradiações divinas.

Hoje temos uma forma de explicação lógica e racional, mas é preciso que cada umbandista aprenda-a para mantermos a coerência existente nela e para que, amanhã ou depois, não sofra, por meio de novas interpretações pessoais, mudanças de nomes e dos termos usados para fixar de vez esse mistério dentro da Umbanda. Nós temos de nos apegar a certos termos para que eles sejam discutidos em profundidade, porque já temos dentro da "Gênese Divina de Umbanda" as explicações de como todos os poderes se irradiam, mantendo sempre uma coerência, porque é uma chave interpretativa. Uma mesma chave se aplica a todos os conhecimentos, senão ela não seria verdadeira e, quando associamos o elemento mineral a Oxum, Oxum ao amor e amor à concepção, tem todo um fundamento, porque o elemento mineral é um elemento que nos dá uma energia conceptiva e multiplicadora das espécies.

Essa energia não atua somente no ser humano, atua em todos os vegetais, em todas as espécies de animais, etc. Nada é desordenado na Criação.


Por: Rubens Saraceni - Texto extraído do livro "Fundamentos Doutrinários de Umbanda", Editora Madras.
Fonte: Umbanda, eu curto