7 de jan de 2015

A influência anímica na abertura dos trabalhos mediúnicos – VIII

PERGUNTA: Não desejamos censurar o trabalho dos médiuns novatos que são sinceros e entusiastas, mas às vezes observamos certa competição de oratória mediúnica junto à mesa espírita (1), o que nos parece contrariar algumas recomendações feitas por Allan Kardec no "Livro dos Médiuns"! Que dizeis?


RAMATÍS: Obviamente, a solução do animismo, que se manifesta nos seus mais variados aspectos, não será conseguida através de censuras; mas é necessário enfrentar esse problema sem receio dos "tabus" ou de ferir susceptibilidades presas ao misticismo improdutivo. O Espiritismo é doutrina sensata e evolutiva, e não pode endossar as anomalias que no exercício mediúnico podem situá-lo sob a crítica maldosa dos adversários. O médium, que é um dos elementos de maior importância na propaganda do Espiritismo prático, deve impor-se pela sua modéstia, conduta moral superior e um serviço mediúnico isento de quaisquer excrescências ridículas.

Os médiuns são homens e, por isso, imperfeitos. No entanto, desde que estudem conscienciosamente as obras codificadas por Allan Kardec, ficam esclarecidos desde o início do seu labor mediúnico quanto às incongruências que precisam evitar em nome da doutrina espírita, quais os percalços da mediunidade imperfeita e o desajuste dos médiuns no tocante às suas qualidades morais, conforme é exposto no "Livro dos Médiuns” (1).

Os médiuns novos são tímidos, cuidadosos e temem o ridículo. No entanto, em princípio, mal dissimulam a ansiedade de sobrepujar os companheiros mais experimentados, o que não perdem oportunidade de fazer. Alguns sobrevivem com êxito nos ambientes mais confusos; outros perturbam-se nos trabalhos mediúnicos mais harmônicos. Obviamente, eles graduam-se pelos mais variados matizes e de acordo com a maior ou menor influência anímica; nuns predomina a linguagem elevada, o potencial intelectivo superior ou o sentimento de tolerância evangélica; noutros a trivialidade, o primarismo mental ou a franqueza rude de "dizer a verdade" aos outros. No entanto, conforme cita Allan Kardec, no "Livro dos Médiuns", ainda é o médium exibicionista o que mais se preocupa em competir e impor-se sobre os seus companheiros de trabalhos mediúnicos, e assim não perde vaza para atrair a atenção pública e teatralizar as mais singelas comunicações. Ele faz do ambiente espírita a moldura que lhe enfeita as atitudes rebuscadas, os efeitos pirotécnicos ou as exclamações dramáticas.

Obs: (1) Podemos adaptar o que o autor se refere à mesa espírita como sendo a manifestação mediúnica dentro da mecânica de incorporação na Umbanda.


Por: Ramatís/Hercílio Maes - Do livro: “Mediunismo" - Editora do Conhecimento