12 de set de 2014

Pomba Gira na Umbanda

Dentro da Umbanda, o nome Pomba Gira pode ser traduzido como: mensageira dos caminhos à Esquerda. “Pomba” é um pássaro que já foi usado como correio (pombos-correios); e “gira” expressa a idéia de movimento, caminhada, deslocamento etc. Como essas Entidades atuam na Esquerda, vem o significado de mensageira dos caminhos à Esquerda.

Logo no início da religião de Umbanda, as primeiras Entidades que se apresentaram foram os Caboclos, os Pretos Velhos e as Crianças.
Em seguida vieram os Exus, que chegaram trazendo Entidades companheiras, as quais se identificavam como Pomba Gira.

Assim como Exu é um guardião e protetor na Esquerda, Pombagira também é uma guardiã protetora atuante na Esquerda da Umbanda. Ela se apresentou como par natural de Exu e por esse motivo, no início das suas manifestações, se pensava que Pombagira fosse “mulher de Exu” e até “mãe de Exu Mirim”. Com o passar do tempo, a Espiritualidade foi esclarecendo melhor aquele tipo de manifestação, aumentando a nossa compreensão a respeito dessas Entidades.

Há registros de que entidades com características semelhantes já se manifestavam no Brasil antes do advento da Umbanda. O pesquisador João do Rio, no livro “As religiões do Rio”, relata casos dessas manifestações nas chamadas “macumbas” cariocas.

Porém, com características próprias, a presença de Pombagira se acentua na Umbanda nas décadas de 1960/70, coincidindo com os movimentos pela libertação feminina.

Acontece que, justamente num período que coincide com os movimentos pela libertação feminina, as Pombagiras vieram com mais força na Umbanda, trazendo o arquétipo da mulher forte, destemida, segura de si, sensual (mas NÃO vulgar!), mostrando a força do poder feminino. Ao mesmo tempo, mostravam-se boas ouvintes e conselheiras. Envolventes, conseguiam fazer com que as pessoas lhes contassem seus problemas mais particulares e suas inseguranças, para então auxiliá-las.

Com isso, as Pombagiras trouxeram um novo padrão de valor feminino para a sociedade, ajudando muitas mulheres a conquistarem autoconfiança e a recuperarem sua autoestima; e, indiretamente, auxiliavam a promover uma transformação do olhar masculino e de toda a sociedade para com as mulheres.

O Mistério, o Orixá, o Trono e a Entidade Pombagira na Umbanda


Na Criação, encontramos o Princípio Masculino, o Poder e a Força Masculinos do Criador manifestados por meio dos Orixás Masculinos. É a Manifestação do aspecto “Pai” do Criador.

Já o Princípio, o Poder e a Força Femininos do Criador são manifestados pelos Orixás Femininos (Oyá-Tempo, Oxum, Obá, Egunitá, Iansã, Nanã, Iemanjá). Manifestação do aspecto “Mãe” do Criador. E este mesmo Poder Feminino está presente em Pombagira.

Ou seja, na Umbanda, Pombagira é também uma Manifestação do Sagrado Feminino; portanto, é uma Entidade que deve ser tratada com o mesmo respeito que dedicamos às demais.

Na Umbanda, Pombagira é cultuada como Entidade de Trabalho, como Espírito que trabalha a serviço da Luz e que, portanto, só pode praticar o Bem, e ainda que às vezes o faça com mão forte...

Mais uma vez, nos deparamos com a Espiritualidade Superior buscando formas de nos ajudar a valorizar a figura da mulher e a quebrar mais um preconceito, levando a sociedade a avançar como um todo no caminho da fraternidade, da igualdade e do respeito ao outro.

O Trono que corresponde ao Mistério Pombagira é denominado Trono do Estímulo ou do Desejo, pois esta é a Energia que Pombagira nos transmite, e com muita propriedade: o despertar do estímulo, do gosto pela vida, o “start” para levarmos avante os nossos esforços pela conquista de uma vida melhor, mais saudável e equilibrada, em todos os setores.

O “desejo” que Pombagira desperta em nós não se refere ao campo unicamente sexual, como alguns pensam, mas tem uma conotação muito mais ampla. Sem estímulo, a pessoa não consegue caminhar em nenhum setor da vida. E no campo sexual, especificamente, Pombagira é a grande esgotadora dos desequilíbrios, dos entraves e bloqueios que possamos carregar em nosso íntimo, visto que a Energia sexual é Sagrada e, por isso mesmo, importante para o nosso equilíbrio geral. Pombagira muitas vezes revela o que está escondido, para promover o esgotamento desses negativismos.

E por qual motivo Pombagira se apresentou, no início, como par natural de Exu? Exatamente porque Pombagira desperta nos seres o estímulo para agir, enquanto Exu vitaliza essa vontade, para que o objetivo seja alcançado.

Ainda há muita desinformação a respeito de Pombagira, inclusive no meio umbandista.

Para alguns, seria uma Entidade capaz de fazer o mal (“amarrações”, trabalhos de magia negativa etc.). Grande equívoco! Uma Entidade que trabalha a serviço da Lei Maior não se presta a tais coisas. O que pode acontecer é que seres trevosos se aproveitem da malícia e despreparo do médium ou do consulente, ou de ambos, para, usando o nome de Pombagira, atenderem a caprichos inferiores. Mas aí a responsabilidade é dividida de forma igual entre quem pediu, o médium que serviu de intermediário e quem fez, e não das Entidades Pombagiras.

Há também quem pense que Pombagira foi prostituta, mulher perdida etc. Assim, ela viria trabalhar para “pagar um carma”, estando sujeita às nossas vontades. Outro engano! Pombagira é um espírito humano que teve várias encarnações. Que, como todo ser humano, cometeu erros. Mas que se arrependeu e se reergueu, obtendo a permissão Divina para trabalhar, usando da sua experiência em benefício da própria evolução e também da nossa, porque nos alerta sobre as consequências dos erros.

Quem errou e reconheceu seus erros tem um grau de consciência apurado. E quem vem trabalhar como Guia de Umbanda tem um nível de evolução superior ao nosso!

Ninguém pode afirmar, ao certo, quem foi Pombagira na sua última encarnação ou nas anteriores. E isso não interessa, na verdade. Aliás, quem somos nós para “julgar” quem vem nos ajudar? O que importa é que se trata de Espíritos a serviço da Luz e que, por já terem errado, conseguem entender os nossos erros humanos. Falam conosco “de igual para igual” (no sentido de compreensão) e podem nos ajudar no caminho da recuperação, a partir do momento em que assumirmos responsabilidade pelos nossos atos. Quando uma Entidade da Esquerda vem e nos conta um episódio do seu passado como encarnado, fala dos seus erros e das suas consequências quando deixou a carne, tudo isso nos serve de reflexão. Esse é um dos pontos de atuação de Pombagira em nosso favor, pois quando ela fala de erros, acertos e consequências, ela sabe do que está falando e nos transmite sinceridade e veracidade.

Quem conhece o caminho pode guiar quem vem atrás...

A única maneira de quebrarmos os preconceitos que ainda existem em relação às Pombagiras é pelo estudo da natureza e finalidade do trabalho dessas Entidades dentro da Umbanda. Fiéis de outras religiões não têm obrigação de conhecer isso, embora devam nos respeitar, até por força de mandamento constitucional.

Mas enquanto houver médiuns e consulentes umbandistas achando que podem pedir qualquer coisa a uma Pombagira; ou médiuns vestindo roupas escandalosas, com “decotão’, transparentes, barriga de fora, com maquiagem e adornos excessivos, e requebrando de maneira vulgar por aí, e fazendo isso “em nome de Pombagira”; enquanto isso continuar acontecendo, será difícil que a Umbanda obtenha o respeito das pessoas de fora da religião. E dentro da religião essas práticas absurdas só abrem caminho para a manifestação de seres trevosos, mentirosos e enganadores, que nada mais são do que afins com aqueles que deturpam o nome da Umbanda. Semelhante atrai semelhante...

Na Umbanda, quando POMBAGIRA se manifesta, estamos diante DO SAGRADO FEMININO.

Por detrás daquele Espírito que vem trabalhar, há um Orixá Sustentador (Yemanjá?), há um Mistério da Criação Divina. Há também outros Pais e Mães Orixás Irradiadores, a amparar e indicar o campo específico de trabalho de cada Pombagira.

Enfim, na atuação de Pombagira há todo um Caminho Sagrado nos envolvendo, ao qual devemos amar, honrar e respeitar, dentro e fora da religião.

LAROYÊ, POMBAGIRA! POMBAGIRA MODJUBÁ!

SALVE O ORIXÁ POMBAGIRA!

SALVE TODAS AS SENHORAS POMBAGIRAS DE UMBANDA!
  • Nomes simbólicos: Pombagira das Sete Encruzilhadas; Pombagira das Sete Praias; Pombagira das Sete Coroas; Pombagira das Sete Saias; Pombagira dos Sete Caminhos; Pombagira das Matas; Rosa Negra; Dama da Noite; Maria Molambo; Maria Padilha; Pombagira das Almas; Pombagira dos Sete Véus; Pombagira Cigana; Rosa Caveira; Sandália de Prata; Pombagira Rainha; Maria Quitéria; etc.
  • Dia da semana: Não há um dia específico. A designação de um dia, em cada Terreiro, pode estar relacionada ao Orixá que rege mais diretamente o trabalho da Entidade que comanda essa Linha naquela Casa.
  • Campo de atuação: Estimular os seres nos Sete Sentidos da Vida (Fé, Amor, Conhecimento, Justiça, Lei, Evolução e Geração); desbloqueio de energias densas no campo da sexualidade; limpeza energética; quebra de magias negativas.
  • Ponto de Força: No geral, as encruzilhadas em forma de " T" e os caminhos. No particular, o ponto de força do Orixá que as rege mais diretamente.
  • Cor: Preferencial: Vermelho. Algumas usam o bicolor vermelho/preto.
  • Elementos de trabalho: Punhal; pembas vermelhas; ervas; alguidar envernizado com pedras (Coralina, Ametista, Pirita, Mica Rosa, Granada, Ágata de Fogo, Vassoura da Bruxa etc.); búzios; moedas de cobre e/ou douradas; fitas e linhas vermelhas; sementes de olho de boi e olho de cabra; incensos; velas vermelhas.
  • Ervas: Preferenciais: Patchuli, malva rosa, rosa vermelha, amora, hibisco, pitanga. Outras: Canela, casca de alho, casca de cebola, folhas de bambu, folhas de laranja e de limão, raízes, pimentas, olho de cabra, olho de boi, garra de Pombagira, quebra demanda, espadas de São Jorge e de Santa Bárbara, comigo-ninguém-pode, erva-de-bicho, arruda, aroeira, guiné, losna, arnica, manjericão roxo, pinhão roxo, dandá da costa, tiririca, folha de café, peregum roxo, gengibre, folha de manga, folha de goiaba, pára-raio, picão preto, eucalipto, folha de pinheiro.
  • Sementes: Olho de cabra e de boi. 
  • Fumo/defumação: Cigarrilha; fumos de ervas específicas enroladas na palha ou queimadas diretamente.
  • Incenso: Rosa vermelha, dama da noite, canela, jasmim. 
  • Pedras: As Pedras vermelhas e rosas, tais como: Mica Rosa, Granada, Geodos de Ágata de Fogo. Algumas Guardiãs também trabalham na energia da Pirita e da Vassoura de Bruxa. (Fonte: Angélica Lisanty, “Os Cristais e os Orixás”, Madras Editora.)
  • Bebidas: Suco de morango, de cereja, de acerola, ou de maçã. 
  • Frutas: Morango, cereja, maçã, romã, acerola, pêssego, laranja, limão; frutas ácidas e vermelhas em geral. 
  • Flores: Rosas vermelhas.

Fonte:  Instituto Cultural 7 Porteiras do Brasil (com adaptações)