2 de set de 2014

Aos filhos da Terra

Hoje veia vai falar da dor que nas almas faz-se se habitar. O mal que circunda a humanidade, é ter no coração a falta de caridade. Veia entende os fio da Terra porque nos campo da fazenda, a veia era menina preta que sonhava em por um vestido de renda. Veia nunca foi santa, engano quem assim canta.

Era orgulhosa e faceira descendo pra Terra de pele negra. O sol se ia embora e a menina negra chora, falando a Zambi da grande injustiça que ele fazia em sua vida. Veia conta ao fio do terreiro que levou muita chibatada, para que sua altivez fosse envergada, para que sua humildade fosse trabalhada. 

Dos olhos da veia, ainda menina atrevida as lágrimas abria ferida. Tinha raiva de ser preta, aquela pele escura falava do quanto a vida era dura. No lombo da veia o chicote comeu, até que um dia ela entendeu e ao amor de Deus ela se rendeu. Veia chama os filhos da Terra que se deixem no coração amolecer, para que do amor um pouco possa saber, para que a caridade, possa em cada um crescer.

Dominar mundos, ir a lua, inventar nova tecnologia, tem feito da alma humana cada dia mais fria. Os filhos não conversam mais olhando no olho do outro entendendo da sua dor um pouco. Veia vem dizer ao fio do Templo que não é só à entidade que cabe a caridade. Fio sorrir quando incorporado no caboclo, mas quando está consigo só, é bruto que dá dó.

O mal que assola hoje a humanidade é não desenvolver no coração a verdadeira caridade. É querer viver sozinho, fazer ao seu redor grande riqueza, esquecendo que maior é o ser e não o ter e que a vida tem que ter beleza. Pobre fio da Terra o ter é passageiro, o ser é eterno e a tua alma não morre, porque somente atrás do material o fio corre?

Desenvolve em ti a caridade, trabalha mais a suavidade, lembrando que é filho da eternidade. Bom tempo aquele da escravidão, que veia sentava no chão, depois de ter entendido a lição. O chamado de Zambi era para aumentar no ser a humildade, trabalhando em seu coração a caridade. Engana o pobre homem que vibra de alegria.

Dizendo que a escravidão acabou quando a lei áurea a princesa assinou! Continua os filhos da Terra sendo cada dia mais escravo, sendo assim de bom grado. São escravo no desamor, são os filhos da Terra escravo do mal que invade o interior da humanidade a pouca vontade e disposição de fazer a caridade.

Veia deixa seu recado, pedindo ao fio que analise o que é ser escravo e com a Veia, por favor, não fique bravo se descobrir que a escravidão ainda assola esse rincão, que é morador assíduo em seu coração. Faça meu fio, hoje uma reflexão e mude essa situação.


Por: Vó Maria Conga - Edleusa Tavares (médium do Cantinho de Francisco de Assis)