5 de ago de 2014

Saudar Exu na abertura dos trabalhos umbandistas?

Sempre na abertura das atividades de um terreiro de Umbanda notamos em algumas casas que antes dos cânticos sagrados e consagratórios o sacerdote dirigente faz uma saudação a Exu e após a mesma que inicia o processo de defumação, cruzamento de médiuns e etc. Tudo isso é assistido pelos presentes na assistência e médiuns da casa, mas poucos sabem qual o real fundamento desta prática nos rituais umbandistas. 

Quando falamos de Exu ou Guardião nos lembramos logo daquele que toma conta do campo energético do terreiro para que forças negativas não adentrem o mesmo. Até aí nada de novo, pois a vasta literatura nos oferece tais explicações. Mas existe um ponto que poucos atentam mediante os trabalhos que
são realizados, ou seja, "A INTENÇÃO" dos mesmos. Podemos enganar a assistência de uma casa dizendo que nossos propósito são louváveis, mas em nosso intimo vibrarmos "nos bastidores da alma" negativamente por esta ou aquela pessoa, fugindo do bom sendo e propósito da Umbanda, mas o que não podemos nos furtar é a ação que EXU rege sobre os trabalhos. Se pedimos proteção e guarda das atividades desenvolvidas, nos esquecemos de que esta guarda e esta proteção também para nós é feita, pois somos médiuns, mas humanos e falíveis acima de tudo. 

A saudação feita a EXU antes da atividades de um terreiro ou até mesmo antes de uma oferenda se da justamente para que o mesmo tome conta de nosso pensamentos e intenções, pois EXU em seu campo vibracional rege todas as intenções, servindo assim a LEI e a JUSTIÇA divina.

Laroyê Exu, Exu é Mojubá... Nos guarde sempre!