19 de ago de 2014

Espaço Para a Criança E a Juventude na Umbanda

Todas as religiões precisam construir seu futuro, precisam preparar os seus adeptos desde a infância de forma que ao chegarem à idade adulta possam dar continuidade aos cultos e ritos, e que o façam com sabedoria e responsabilidade.

A maioria das religiões tem algum tipo de educação preparatória para as gerações mais novas. Educação que inclui moral, ética,
orientação para a vida, orientação a respeito de sua religião ( história e tradição, usos e costumes, leis, etc.). Desta forma, as religiões vão construindo um caminho para o futuro, para que haja uma continuidade de seus cultos e o mínimo possível de deturpação por ignorância. Constroem tradições que ficam internalizadas no espírito de seus adeptos que no futuro serão seus mantenedores.

A Umbanda, no momento em que completa 100 anos de sua institucionalização também deve preocupar-se com isso. Mais que somente pela tradição e pela continuidade, por sua missão de caridade e orientação ao próximo. Para que se formem Homens melhores, que por sua vez construirão o mundo do futuro de forma mais consciente. Isso faz parte da responsabilidade moral e espiritual de uma religião: dar base às novas gerações.

Quando me reporto a um espaço especial para crianças e adolescentes na Umbanda, me refiro à muito mais que tomar passes ou correr pelos terreiros, mais que algumas proveitosas conversas com os pretos velhos e caboclos. Refiro-me a uma programação educativa que inclua um determinado espaço e um determinado tempo (seja semanal, quinzenal ou mensal) para aplicar aulas regulares que informem sobre a vida, a religião e suas mensagens, moral , ética, etc. e assim formem o Homem o cidadão e o umbandista do amanhã.

Faz-se necessário que as crianças e adolescentes reconheçam em cada templo , mais que um lugar onde vão conversar e tomar passes, é preciso que reconheçam seus templos como um espaço ao qual vão para praticar seu encontro com o Sagrado e onde serão recebidas com a devida atenção e o devido preparo por parte daqueles que forem seus evangelizadores, professores da religião ou orientadores, o nome que se dará a essa figura ou à essas aulas é o que menos importa. Importa que exista esse espaço próprio para receber crianças e adolescentes e que essas o reconheçam comoseu espaço de aprendizagem exercício espiritual. Importa que aqueles que se dispuserem a tal tarefa se preparem muito bem para receber esses espíritos tão cheios de energia, disposição e curiosidade. Importa que esse seja um espaço onde tanto uns como outros se sintam acolhidos e seguros, onde haja instrutores com a disposição para ouvi-los e esclarecê-los, que falem a sua linguagem, que os compreendam. Que as crianças e adolescentes tenham a quem recorrer para tirar suas dúvidas sem medo e sem pressa. Alguém que saibam que está ali especialmente para isso e que estará preparado para dar-lhes toda a atenção de que precisem. Que sintam prazer em comparecer às aulas e saiam de cada aula meditando sobre o seu conteúdo cheios de novas perguntas e pensamentos bons na cabeças, ansiosos para que chegue a próxima aula.

O conteúdo programático deve ser desenvolvido pela direção da casa com a supervisão e a chancela da espiritualidade. Deve estar de acordo com o direcionamento espiritual, ritualístico e filosófico de cada templo. O principal é que tal conteúdo inclua boas maneiras, ética, moral, história do seu templo, história da Umbanda, lições de amor e paz de grandes autores, parábolas educativas de Jesus ( já há livros infanto-juvenis que contam as parábolas em linguagem atualizada e sem dogmatismo podendo ser utilizadas por qualquer religião ou mesmo sem compromisso com nenhuma). Tal programa deve ainda conter explicações sobre a espiritualidade e os fundamentos da Umbanda e seus orixás e guias, orientações sobre o poder das energias, etc. Precisa ainda, ser dividido por faixa-etária, de forma a não ficar além ou aquém do alcance mental e emocional de cada turma.

A Umbanda precisa criar em suas crianças e adolescentes o orgulho sadio de pertencer a uma religião e o “poder” de saber o suficiente para dissertarem sobre ela quando entre seus amigos e colegas seja na escola , seja nos pátios ou nas praças. As crianças e adolescentes umbandistas passam muitas vezes por constrangimentos que vem menos do fato de freqüentarem a Umbanda e muito mais do fato de não saberem que são umbandistas e não possuírem argumentos para fundamentar numa conversa o que é a Umbanda e que são umbandistas. E aqui entra também a importância de que essas crianças e adolescentes tenham conhecimento não somente da Umbanda como uma visão geral de outras religiões.

Ilude-se aquele que pensa que as crianças e jovens não se preocupam com religião , que não conversam sobre o tema e que não se constrangem por não conhecê-lo. Engana-se profundamente o adulto que imagina que apenas a mera presença da criança nos dias de sessão e um passe ou uma conversa com as entidades bastem para a juventude de hoje. Não bastam! As crianças de nossos dias e os adolescentes não são tão desinteressados ou desligados quanto se quer pensar. Têm outras necessidades. São a geração do 3º Milênio. Espíritos que tem um enorme cabedal de conhecimento acumulado e que estão nascendo numa era de informações ultra-rápidas. Suas mentes parecem já vir com acelerador para recepção de conhecimentos. Seu mundo é um mundo de informações instantâneas onde não ter informação e principalmente, não ter formação podem gerar um sentimento de caos, de insegurança, de ter sido negligenciado e excluído de alguma coisa ou de não ser importante para a religião ou de que não deve importar-se com ela.

Muitos dirão não haver necessidade de tal processo educativo infanto-juvenil. Outros, que bastará deixá-los conversar com uma entidade ou outra que os tratará certamente com todo o amor e a sabedoria. Outros que isso é obrigação dos pais. Outros, que sempre foi assim e sempre deu certo até agora - a esses informo que estão infelizmente “parados no tempo” e que o tempo não pára, ao contrário aprece acelerar mais e mais a cada dia. Crianças não nascem mais de olhos fechados, aos 30 anos dominam o controle remoto e aos 5 dão banho em adultos quando o assunto é computador.

É preciso lembrar que são eles, crianças e adolescentes, que vivem num mundo dinâmico onde o tempo se torna cada vez mais curto e os pais cada vez menos presentes, são eles, que necessitam desse espaço-tempo. De inclusão plena. De uma base que parta do geral para o particular. E são eles o futuro da Umbanda , do país do mundo.

Se a Umbanda, essa mesma Umbanda que hoje se organiza em conselhos, organiza encontros , locutórios , cursos, seminários e palestras, e busca fazer ouvir sua voz, marcar seu espaço ao sol, influir e opinar sobre os assuntos da nação, Se essa Umbanda não perceber o grito silencioso das necessidades de suas crianças e jovens ( e não somente umbandistas, mas todos) então estará lutando por nada. Abandonando enfraquecendo os elos da corrente e será responsável pelo que deixar de fazer por e para essas gerações.

Aos umbandistas: zeladores , filhos de santo, ogãns e ekedi/sambas, freqüentadores da assistência, um apelo para que meditem sobre o assunto. Pesem suas responsabilidades diante do Astral , da Sociedade e de si mesmos, não se prendam somente à caridade socorrista seja no atendimento aos necessitados nos terreiros, seja em cestas básicas e campanhas diversas. A responsabilidade dos umbandistas prende-se também, e com certeza será cobrado de cada um, à educação das futuras gerações, ao amparo não somente físico e espiritual, mas moral e mental. Socorrer, orientar, amparar, ouvir, aprender, ensinar e sedimentar o bem, a fé e o amor nos corações das próximas gerações é tarefa de todo aquele que se pretende religioso, portando religado ao Pai, como irmãos mais velhos devem sempre cuidar dos mais novos.

É indispensável amar (na prática) nossas crianças e os nossos jovens, ensinar aos pequenos a importância dos valores morais, da ética, da fé, da confiança, do amor incondicional, da prudência, da tolerância. Infelizmente, o tempo em que somente exemplificar bastava já se foi. Hoje, mais que nunca é preciso vigiar e orar, como também é preciso por em prática, compartilhar, chamar a si a responsabilidade, envolver e entreter nossas futuras gerações em aprendizados úteis, para que participem ativamente, encontrem um espaço de seu na Umbanda e no mundo.Imperativo que a Umbanda cuide bem dessas novas vidas que as abrigue em seu seio amoroso e que não às deixe à deriva, escapando como água pelos dedos abertos, entregues às vicissitudes da vida por falta de um espaço seu, onde possa aprender , se refugiar, se equilibrar, encontrar soluções, orientações e caminhos . Essa responsabilidade é de todos os umbandistas. A omissão desse espaço-tempo é falta grave, pela qual o futuro cobrará nesta e em outras vidas."

Quem tiver ouvidos para ouvir que ouça, Quem tem olhos para ver que veja e Quem sentir que é hora de arregaçar as mangas e abrir um sorriso que o faça!

Paz e Luz!


Por: Cristina Zecchinelli