13 de mai de 2014

Quando as estrelas falam ao coração...


(Toques Conscienciais Universalistas)

A Espiritualidade que chega aqui vem de longe...
Vêm lá da Casa das Estrelas!
E me chama para o encontro de almas.
Então, encantado, eu apenas obedeço.
E deixo o meu coração no comando.
Porque eu sei que só ele compreende o Alto.



A Canção Secreta que eu escuto vem de longe...
Vem lá da Casa dos Devas (1) da Música!
E me faz viajar espiritualmente pelo infinito.
Então, embevecido, eu apenas me deixo levar...
E deixo o meu coração no comando.
Porque eu sei que só ele pode sentir os seres celestes.

A Luz que brilha em meus olhos vem de longe...
Vem lá da Casa de Krishna!
E me faz médium (2) de tantas coisas do Bem.
Então, admirado, eu apenas escrevo.
E deixo o meu coração no comando.
Porque eu sei que o Céu só se revela a ele.

A Paz espiritual que me inspira vem de longe.
Vem lá da Casa dos Budas e Bodhisattvas!
E faz a minha aura (3) ficar toda dourada.
Então, contente, eu apenas canto “Om Mani Padme Hum!” (4)
E deixo o meu coração no comando.
Porque eu sei que só ele compreende a verdadeira compaixão.

O Amor que desce aqui vem de longe...
Vem lá da Casa de Jesus!
E me faz pensar no Bem de todos os seres.
Então, agradecido, eu viajo nas ondas da assistência espiritual.
E deixo o meu coração no comando.
Porque eu sei que só ele compreende o silêncio que ama...

O vento sutil que passa por aqui vem de longe...
Vem lá da Casa de Iemanjá! (5)
E faz os meus chacras (6) virarem pequenos sóis.
Então, rindo, eu me lembro do azul do mar.
E deixo o meu coração no comando.
Porque eu sei que só ele sente o perfume da Mãe Querida.

As vozes espirituais que eu escuto vêm de longe...
Vêm lá da Casa de Aruanda! (7)
E elas me falam de Fé e Força nas jornadas, espiritual e humana.
Então, com alma de curador, eu encho minhas mãos de luz.
E deixo meu coração no comando.
Porque eu sei que só ele compreende os bondosos pretos-velhos.

Os toques conscienciais que me guiam na senda do espírito vem de longe...
Vêm lá da Casa dos Rishis! (8)
E eles me falam do Poder Incomensurável de Brahman (9).
Então, com respeito, eu oro ao Grande Senhor da Vida.
E deixo o meu coração no comando.
Porque eu sei que só ele conhece as pradarias do infinito.

A Alegria que sinto vem de longe...
Vem lá da Casa dos Sábios Taoístas.
E ela me enche de serenidade.
Então, feito criança arteira, eu brinco com o Chi (10).
E deixo o meu coração no comando.
Porque eu sei que só ele conhece o Tao (11).

O discernimento espiritual que chega aqui vem de longe...
Vem lá da Casa dos Hierofantes! (12)
E me fala da responsabilidade do esclarecimento consciencial.
Então, com modéstia, eu me lembro dos iniciados espirituais de todas as eras.
E deixo o meu coração no comando.
Porque eu sei que só ele vê as estrelas na trilha...

P.S.:
Sim, eu sempre deixo o meu coração no comando...
E, quando vejo, o Samadhi (13) me leva pelas estrelas.
Então, eu apenas escrevo.
Porque eu sei que outros corações também sentem algo mais...
Ah, eles compreendem, em Espírito e Verdade.
E sabem que, quando o coração fala ao coração, não há mais nada a dizer.

(Dedicado a Paramahamsa Ramakrishna (14), que, um dia, me disse:
“Menino, quando você deixar o seu coração no comando, as estrelas descerão em seus olhos. Então você sentirá outros corações na mesma sintonia...
E saberá o que escrever para eles.
Você já sabe: Samadhi é Amor em ação.
Ah, nunca se esqueça da grande lição:
É só o Amor que nos leva...”)

Paz e Luz.


Por: Wagner Borges – mestre de nada e discípulo de coisa alguma.
Fonte: IPPB

- Notas:
1. Devas – do sânscrito – divindades; seres celestes.
2. Médium - do latim: intermediário – é o indivíduo que tem a capacidade supranormal de perceber os seres extrafísicos e de servir de canal interplanos para eles se comunicarem com os níveis mais densos.
3. Aura – do latim, aura - sopro de ar – halo luminoso de distintas cores que envolve o corpo físico e que reflete, energeticamente, o que o indivíduo pensa, sente e vivencia no seu mundo íntimo; psicosfera; campo energético.
4. Om Mani Padme Hum - do sânscrito - sua tradução literal é: "Salve a joia no lótus". Esse é um mantra de evocação do boddhisattva da compaixão entre os budistas tibetanos e chineses. Om é a vibração do TODO. Mani é a "Joia espiritual que mora no coração"; ou seja, é o próprio Ser, a essência divina. Padme / Lótus é o chacra cardíaco que envolve, energeticamente, essa joia sutil. Hum é a vibração dessa compaixão do Todo vertendo a luz pelo chacra cardíaco em favor de todos os seres.
Esse mantra é mais conhecido como o "mantra da compaixão".
5. Iemanjá - no Brasil, Iemanjá está associada ao mar, embora na África esteja mais vinculada à desembocadura dos rios. Nas lendas africanas ela é tida como filha de Olokum, deusa do mar, Mãe que criou muitos Orixás.
Na Bahia, as festas se realizam no dia 02 de fevereiro, no bairro do Rio Vermelho, com repercussão nacional. Seus instrumentos são o abebé cor de prata e uma espada. Sua saudação espiritual é "Odoiyá!"
6. Chacras - do sânscrito - são os centros de força situados no corpo energético e têm como função principal a absorção de energia - prana, chi -, do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico. Além disso, servem de ponte energética entre o corpo espiritual e o corpo físico.
Os principais chacras são sete – que estão conectados com as sete glândulas que compõem o sistema endócrino: coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, umbilical, sexual e básico.
7. Aruanda – comunidade extrafísica cultuada na Umbanda como referência de Luz e Espiritualidade; sítio extrafísico; cidade de luz.
8. Rishis – do sânscrito – sábios espirituais; mestres da velha Índia; mentores dos Upanishads.
9. Brahman – do sânscrito - O Supremo; O Grande Arquiteto Do Universo; Deus; O Amor Maior Que Gera a Vida. Na verdade, O Supremo não é homem ou mulher, mas pura consciência, além de toda forma. Por isso, tanto faz chamá-Lo de Pai Celestial ou de Mãe Divina. Ele é Pai-Mãe de todos.
10. Chi - do chinês - força vital, energia.
Dentro dos ensinamentos taoístas, a força vital é polarizada na natureza das coisas em dois aspectos fenomênicos: o Yin e o Yang, as alternâncias do Chi, as polaridades da energia.
11. Tao - do chinês - O Caminho; a Essência de tudo; O Todo.
Na verdade, o Tao não pode ser descrito ou explicado por palavras humanas. Por isso, deixo a cargo do sábio Lao-Tzé uma explicação mais apropriada:
"Há algo natural e perfeito, existente antes de Céu e Terra.
Imóvel e insondável, permanece só e sem modificação.
Está em toda parte e nunca se esgota.
Pode-se considerá-lo a Mãe de tudo.
Não conhecendo seu nome, chamo-o Tao.
Obrigado a dar-lhe um nome, o chamaria Transcendente."
- Lao Tzé - in "Tao Te Ching" – China; Século VI a.C.
12. Hierofantes - dentro do contexto das iniciações esotéricas da antiguidade, eram os mestres que testavam os neófitos (calouros) nas provas iniciáticas.
13. Samadhi – do sânscrito – estado de consciência cósmica; expansão da consciência.
14. Paramahamsa Ramakrishna: mestre iogue que viveu na Índia do século XIX e que é considerado até hoje um dos maiores mestres espirituais surgidos na terra do Ganges. Para se ter uma idéia de sua influência espiritual, posso citar que grandes mestres da Índia do século XX se referiram a ele com muito respeito e admiração, dentre eles o Mahatma Ghandi, Paramahamsa Yogananda e Rabindranath Tagore.