4 de dez de 2013

A Umbanda

gira, umbanda, trabalho, sessão, magia, zeladorA umbanda para muitos ainda é tabu; quando qualquer aspecto associado a esse tema é ventilado nos círculos espíritas, geralmente observamos reação imediata, que denota o preconceito enraizado. Será puro medo?

E que espécie de medo acomete muitos companheiros espíritas ao abordarmos o assunto umbanda? A maioria dos espíritas, ou pelo menos os mais ortodoxos, não admitem sequer a ideia de que pais-velhos, caboclos ou outras entidades espirituais semelhantes possam trabalhar nos centros ditos kardecistas. Porém, quando as coisas apertam, quando falham os recursos habituais consagrados pela ortodoxia, logo, logo pedem socorro ao primeiro pai-velho de que algum dia ouviram falar ou se ajoelham aos pés de alguma entidade num terreiro, escondidos não se sabe de quem.

Postas de lado as observações quanto ao comportamento daqueles que ainda necessitam se esconder por detrás de tais máscaras, fiquei imaginando o que o mundo espiritual ainda reserva para todos nós. A riqueza cultural do povo brasileiro é tão grande que toda essa história de magia, crenças populares ou cultos africanos, da forma como se apresenta pelo Brasil afora, não poderia passar despercebida do Mundo Maior.

À parte os excessos, as crendices e as lendas, o que nos aguarda além do véu dos mistérios? O que nos reserva o povo de Aruanda?

[important]Por: Ângelo Inácio/Robson Pinheiro - Trecho do livro "Aruanda"
Fonte: Centro Espiritualista de Umbanda - Esperança[/important]