13 de mai de 2013

Vozes sobre Umbanda

liberdade, libertação, mudançaSilencioso, na humildade do Conga, trabalhava, carregando a Missão da noite escura das Dívidas, a alvorada do Resgate, quando vi seus clarões iluminarem mais um "caminho" por onde minha alma extenuada tinha que passar, mas, antevendo os desenganos, vacilava.


Porém...o chamado era imperioso e dizia: anda, vai, escuta, observa e cumpra a tua parte.


E assim sendo, fui e cheguei. Pus-me a escutar as "Vozes" que falavam de Umbanda. De umas, as palavras fluíam eloquentes  empolgavam pelo conhecimento, buscando origens e explicações ...era a "cultura da doutrina".


De outras, o Verbo se espraiava vibrante, mostrando causas e coisas, citavam exemplos e interrogavam...era a ânsia de Saber.


De outras mais, que refletiam inteligências de mentes ágeis explanando teorias belas, em cujas "imagens" se podia identificar o reflexo...dos Livros. E ainda outras se fizeram ouvir, veementes na imposição do "Eu Sei" emissora de vagas concepções...


E todas pareciam penetradas pela Fé. Entretanto, a tristeza, filha da decepção, apoderou-se de mim e fez com que descobrisse o porquê. Então elevando o pensamento ao Astral, foi clamar angustiado:


...Oh! Senhora da Luz Velada, Umbanda de Todos Nós... faltam aqui as "Vozes" daqueles que seus teus filhos diletos... Poderias Tu levar aos "quatro ventos", pelo som dos clarins da Falange de Jorge, uma pequenina e humilde "voz" com essa mensagem?...Ogans, "Babas", Pais-pequenos, Mães-pequenas, médiuns que o forem de fato e direito, meus desconhecidos Confrades. Onde Estais?


Desçam de suas "Tendas" de sonho e perfume e venham "ver" e ouvir a Realidade... Por acaso não chegaram a seus ouvidos as notícias do que "está se passando"? Se não, ouçam e "entendam" o que quero dizer: Nós, que somos os trabalhadores de todas as noites, veículos desses "Orixás" que nos ensinam a existência dessa mesma Umbanda; nós, primeiros a ser esclarecidos em seus fundamentos, que amassamos ser "pão de cada dia" e nos sentimos ferir em seus "espinhos”... nós é que somos os mais indicados a distribuir suas Pétalas...pois, sabemos, ELA existe no Jardim da Luz e do Merecimento, aspergindo sua essência aos sequiosos e aflitos que buscam seu Seio como guarida.


Assim, devemos reconhecer essas Verdades e "despertar"do ridículo em que ficamos quando certas interrogações nos são feitas do porquê - "em cada canto a coisa é diferente"?


Unifiquemos, "pontos-de-vista", para não darmos o triste espetáculo, visto e revisto do "cada um por si" com uma banda própria...


Sim... porque APENAS numa coisa somos unos, é na FÉ... e fortalecido nela, com a vontade irmanada a um ideal, na inspiração de algo que está em mim e não é meu,ouço sempre uma "VOZ", súplice, dizer... Oh! Senhora da Luz Velada!, Tu, que acalentas nos braços os sofrimentos de todos os Planos, desvelando e dando a cada um, segundo seu grau, as verdades que estão em Ti... olha e vigia "ESSES" que vão ser encarregados de colher Teus ensinamentos... não permitas que, nessa hora, Teus "Congas" permaneçam mudos, pois, BEM O SABES, quase todos estão "quietos", testemunhas silenciosas de "panoramas e cenários"... aí, quão doloroso é senti-los assim... e por quanto tempo ainda... Oh! Umbanda! Teus "Congas" ficarão "em funeral"?


[important]Por: W.W. da Matta e Silva
Fonte: Universo da Umbanda[/important]