8 de fev de 2013

E vem aí mais um carnaval

carnavalNem vale a pena falarmos do carnaval na época das marchinhas porque isso já se foi, a festa inocente e alegre onde as moças vestiam-se da cabeça aos pés e os moços eram respeitadores não é mais como antes, porque de umas décadas para cá tudo mudou e MUITO!


O Momo ressurge a cada ano desperto pela egrégora que se forma na crosta, emergindo das densas faixas umbralinas para satisfazer os empobrecidos de alma que iludidos, doam seus fluídos aos maquiavélicos das sombras que sobem em busca dos vaidosos, dos sensuais, dos glutões e dos fanfarrões.


Então a emoção dá o tiro de misericórdia na razão e o que se assiste é um show de esquisitices macabras onde o exterior fútil e imediatista, assassina de vez a sensatez equilibrada tão necessária.


O que se vê são mulheres nuas, siliconadas, com seus corpos perfeitos e mentes vazias. Vemos criaturas iludidas por uma fugaz sensação de prazer que é falsa e distorcida; que seduz, inebria para então roubar a alma e o coração dos foliões desatentos.


Longe de nós ofender os rapazes e as moças ou maldizê-los, apenas falamos da precariedade de sentimentos elevados de alguns e que por isso, depois, sofrem tanto .


Muitos rapazes lamentavelmente vão para a batalha, mas para a da conquista sem profundos e positivos interesses, seduzem e “capturam” crentes de que fazem algo especial, de que estão no caminho certo... Ledo engano.


O carnaval hoje está mais para as apresentações que valorizam a cada tempo o desregramento e a desordem moral, do que para a diversão inocente que ajudam-nos a espairecer em tempos tão difíceis.


As festas de rua em alguns lugares são um acontecimento onde energias humanas são sugadas prazerosamente e sem economia! Os encarnados viram banquete das trevas e suas invigilantes mentes passam a ser dirigidas por diabólicos foliões desencarnados das zonas inferiores, famintos de sensações desprezíveis. Assiste-se então aos espetáculos mais lamentáveis de violência, mortes, assaltos, competição negativa, acidentes no trânsito, assassinatos, orgias, etc. Homens e mulheres atolados no prazer subversivo, tomando o espaço dos simples e pacíficos que querem apenas divertir-se sem maiores consequências. Conspurcam a diversão sadia e acabam com a festa de milhares de foliões equilibrados que só desejam distrair-se.


Levantam-se as cortinas para mais uma apresentação satânica. Peitos e bundas a mostra, músculos bem definidos sob peles suadas e oleosas, purpurinadas e brilhantes. Olhares lânguidos e requebrados sensuais em suas fantasias caríssimas e esfuziantes, que custaram a vida de milhares de aves.


Aprendemos com o querido André Luiz e R. A. Ranieri, no livro “Sexo Além Da Morte”, que o sexo é a força mais poderosa que existe depois da força do pensamento. Em muitos casos é usada pobremente para satisfazer as necessidades inferiores dos sexólatras que se escondem por trás das caríssimas e minúsculas fantasias, em nome da vaidade nauseante e do gozo mecânico que jamais será saciado.


Esta é a festa da farsa e da ilusão onde a carne é servida no banquete da luxúria e da depravação. Oh Pobres mentes que ainda se vendem em troca de miseráveis momentos de prazer sexual sem amor! Despertem enquanto há tempo!


Durante o carnaval milhares de foliões sensuais são sugados pelos verdadeiros vampiros e são hipnotizados e levados para fins de toda ordem no baixo astral.


Enquanto isso, os trabalhadores da Seara de Luz esforçam-se para manter a ordem no Astral e no físico, socorrendo, resgatando, orientando, protegendo, educando, aplicando a Lei, etc. Haja força par conter os abusados e perigosos irmãos trevosos que atacam sem dó. Legiões entram em combate e os “oguns” ou falangeiros de Jesus unidos e precisos, combatem-lhes a insanidade. Uma verdadeira batalha inicia-se a cada ano nesta época, em nome da paz e da segurança de milhares de encarnados e desencarnados.


Muitos não fazem ideia do que acontece no Astral inferior nessas ocasiões (período carnavalesco onde a atenções estão voltadas para a festa da carne com todas as suas nuances).


O exército de Jesus trabalha dobrado para que estas hordas não avancem e dominem os que ainda não estão curados. E haja arco e flecha, zarabatanas, espadas, choques, redes e etc. (Plano Astral - Caboclos, exus, etc)


Os foliões incautos pensam que somos exagerados e taxam-nos de espíritas fanáticos, “estúpidos” e “caretões”. Acusam-nos de hipócritas, pois se ainda ontem muitos de nós divertíamos nessas mesmas festas. Ora, se já não o fazemos mais é sinal de que despertamos a tempo! Se hoje falamos sobre o tema, é porque há necessidade de enfatizarmos a dor causada pela atitude ignorante. Nosso objetivo não é o de apontar levianamente ou atirar, mas o de estudar sempre buscando o aprendizado e o equilíbrio. Desculpem-nos os mais irônicos, mas graças a Deus estamos despertos, não é mesmo? E antes agora, do que muito tarde! E dizemos sem o menor problema que estamos com a razão ao pedir cautela aos irmãos que se entregam as festas carnavalescas em busca das sensações inferiores, pois as mentes se conectam com as correntes formadas de forma doentia, que são ligadas à elas e é aí que se aglutinam energias pesadas, viciosas e perigosas que saturam também o campo magnético, por isso muito cuidado!


Os espíritos desregrados nunca dormem, não desistem e dificilmente recuam diante de um encarnado desajustado, pois precisam de ectoplasma de baixa qualidade, ou seja, o que pode ser absorvido por eles que vibram em baixo diapasão, por isso aproximam-se das criaturas que se comprazem no vício dos prazeres sexuais, das drogas, da vaidade negativa e é justamente nesta época, que milhares de encarnados em quase todo o mundo, festejam o carnaval, de acordo com sua cultura.


No Brasil nossa cultura é a de adorar estas festas pagãs, mas não costumamos fazer isso com alegria e com leveza, normalmente o fazemos com o excessos que sempre nos custam caro no fim das contas. E antes que as pedras rolem soltas em nossa direção e para que não faltemos com o devido respeito com os nossos irmãos, afirmamos que não estamos a generalizar nem a julgar ou a condenar nossos companheiros de caminhada. O que aqui enfatizamos é a necessidade da reflexão sobre o mau uso das energias sexuais entre outras, da indisciplina e das viciações que ameaçam a saúde mental das humanas criaturas. Pois tudo tem um preço!


No carnaval, milhares de desencarnados despertam e como alhures dissemos, muitos ganham força para chegar até a crosta terrestre. Este fenômeno se dá através da forte egrégora que se forma. Os que não conseguem emergir devido o seu baixíssimo padrão vibratório em outras épocas por ser destoante do da crosta, nesta época o fazem com êxito, pois, milhares de pessoas com seus pensamentos desregrados e atitudes lastimáveis, dão condições para que alguns deste irmãos saiam donde estão.


Enquanto houver o culto ao corpo e não ao espírito, haverá dor e ranger de dentes.


[important]Por: Marcos Marchiori/Letícia Gonçalves - Fonte: Missão de Luz[/important]